Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Mercedes abre 330 vagas e deve retomar segundo turno em fábrica de caminhões

Montadora anunciou a criação de 250 postos em São Bernardo do Campo (SP) e de outros 80 para a filial de Juiz de Fora (MG)

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

27 Março 2018 | 22h42

Ao mesmo tempo em que mostrou as inovações adotadas na fábrica de caminhões e ônibus de São Bernardo do Campo, no ABC paulista - o que permitirá um ganho de produtividade de 15% -, a Mercedes-Benz anunciou na terça-feira, 27, a abertura de 250 vagas para reforçar a produção na unidade e outras 80 para a filial de Juiz de Fora (MG).

+ Mercedes-Benz tem nova fábrica em São Bernardo Campo

A empresa também pretende retomar, no segundo semestre, o segundo turno de trabalho na linha de caminhões no ABC, o que deverá exigir mais contratações. O setor opera desde dezembro com horas extras em dois sábados por mês.

A fabricante de caminhões, ônibus e componentes operava em três turnos mas, com a crise, suspendeu um deles em 2014 e, no ano seguinte, passou a trabalhar com apenas uma turma. Nesse período, o grupo fechou 5 mil postos de trabalho, parte em razão da queda nas vendas e parte em reestruturação.

No início deste ano a montadora já havia contratado 350 pessoas. Hoje, com 8 mil funcionários em São Bernardo e cerca de 700 em Juiz de Fora, onde faz principalmente cabines, a Mercedes consegue produzir 40 mil veículos por ano mas, em três turnos, chegou a fabricar mais de 70 mil.

+ Grupo publicitário Publicis fecha contrato com a Mercedes-Benz

“Esperamos manter em todo o ano o crescimento de 30% nas vendas verificado no primeiro trimestre”, diz o presidente da Mercedes-Benz, Philipp Schiemer. Por isso a equipe de produção está sendo ampliada, mas ele reconhece que o total de vagas fechadas não será reposto.

Indústria 4.0. As inovações apresentadas na terça na linha de caminhões e na área de logística, resultado de investimentos de cerca de R$ 500 milhões ao longo dos últimos três anos, fazem da fábrica do ABC “a mais moderna do grupo Daimler (dono global da Mercedes-Benz) no momento”, diz Schiemer.

Segundo o executivo, foram incorporados equipamentos e conceitos da chamada indústria 4.0 na fábrica que já tem 60 anos. A modernização vai continuar nos demais setores, como nas unidades de ônibus e de peças (motores e eixos).

Para esses novos projetos a empresa usará parte do investimento de R$ 2,4 bilhões anunciado para 2018 a 2022. “Estamos fazendo todos esses investimentos mesmo operando com prejuízos porque recebemos dinheiro da matriz alemã. Sem isso, seria impossível”.

Em 2011, antes da crise, a produção total de caminhões no País somou 229 mil unidades, volume que despencou para 89,5 mil no ano passado. A Mercedes, maior fabricante de veículos pesados, praticamente acompanhou essa queda. A previsão do setor para este ano é de crescimento de 16%, mas a projeção da Mercedes é mais otimista.

+ Mercedes-Benz inicia obras de sua fábrica de carros de luxo

Schiemer lembra que o País passa por momento de recuperação, com inflação controlada, juros em queda e parte das reformas aprovada, mas ressalta que “o problema não está resolvido”. Para ele, é preciso que o novo governo a ser eleito em outubro continue com as reformas necessárias, principalmente previdência, tributária e política para que o País possa crescer de forma mais sustentável.

Ele cita ainda a necessidade de o governo definir a política industrial do setor, o Rota 2030, para decidir novos investimentos e produtos a serem desenvolvidas. O Rota também vai definir o futuro da fábrica de carros de luxo da marca inaugurada em 2016 em Iracemápolis (SP), e que opera com menos da metade de sua capacidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.