Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Meta vai ser revista, mas governo não sabe quando

Há os que defendem uma mudança já; outros, preferem avaliar evolução da arrecadação

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

02 Agosto 2017 | 05h00

BRASÍLIA - O governo vive uma divisão em relação ao prazo para rever a meta fiscal deste ano, que permite gastar R$ 139 bilhões a mais do que todas as receitas. Alguns integrantes da equipe econômica defendem que a decisão seja feita até o fim de agosto. Outros, porém, argumentam que o melhor caminho é acompanhar a evolução da arrecadação de tributos e de receitas extraordinárias, atreladas a programas de parcelamento de dívidas e concessões.

É consenso na equipe econômica que não há mais como compensar novas frustrações de receita até o fim do ano. Como informou o Estadão/Broadcast, a revisão da meta fiscal deste ano terá como limite o rombo das contas do governo em 2016, de R$ 159,5 bilhões.

O que mais preocupa de imediato é o Refis (parcelamento de débitos tributários) que foi desfigurado pelo relator da medida provisória que cria o programa, deputado Newton Cardoso Junior (PMDB-MG). Mas como o prazo de adesão vai até fim de agosto, uma corrente do governo acha que o melhor é rever a meta, se necessário, apenas no próximo relatório bimestral de avaliação de receitas e despesas do Orçamento, que será enviado ao Congresso até o fim de setembro. Há riscos também em relação ao leilão das hidrelétricas da Cemig. O governo conta com cerca de R$ 11 bilhões dessa venda para entrar nos cofres ainda em 2017.

Outra corrente, segundo fontes, avalia que se deveria mudar a meta nas próximas três semanas junto com uma nova meta para 2018, quando for enviado ao Congresso a proposta de Orçamento do ano que vem. Essa corrente até agora tem prevalecido por conta do risco de paralisação da máquina do governo diante da dificuldade de reversão do corte do Orçamento até setembro, de R$ 45 bilhões.

+ MAIA E EUNÍCIO SE DIZEM CONTRA MUDANÇA DA META FISCAL

O Tribunal de Contas da União (TCU) dá indicações que não vai deixar o governo rever a meta muito no fim do ano.

Receitas 2018. Se neste ano não existe margem de manobra no caso de nova frustração de receita, para 2018 as possibilidades em estudo são muitas. Entre elas, o adiamento de alguns reajustes concedidos ao salário dos servidores e o fim de algumas desonerações, como o Reintegra que concede crédito para os exportadores de produtos manufaturados, além de novas altas de tributos, como o fim da isenção do Imposto de Renda para a LCI e LCA, títulos de renda fixa.

+ GOVERNO TENTA SEGURAR IMPACTO NEGATIVO DO AUMENTO DO ROMBO FISCAL

Segundo uma fonte da equipe econômica, o que ajuda toda essa discussão é que mercado está bem comportado. O índice Ibovespa fechou ontem no maior nível desde 18 de maio e o risco Brasil não para de cair. A queda da curva de juros já voltou ao nível de antes de 18 de maio, quando foram divulgadas as denúncias contra o presidente Michel Temer.

Contribui para esse cenário diversos fatores, na avaliação da equipe econômica, como a votação da reforma trabalhista no Senado com o apoio até mesmo de senadores que são contra o governo Temer. Também é visto como um ponto a favor o movimento coordenado entre Fazenda, Planejamento e Banco Central a favor da mudança da Taxa de Longo Prazo (TLP), que vai substituir a TJLP para os empréstimos do BNDES.

O aumento de impostos também foi interpretado como demonstração de compromisso com o fiscal, mesmo que a meta não seja cumprida. Mas se houver revisão da meta tem de ser bem conservadora, não pode ser uma mudança voltada para abrir os cofres, segundo uma fonte da equipe econômica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.