Nacho Doce/Reuters
Nacho Doce/Reuters

Metalúrgicos da fábrica da Ford em Taubaté encerram greve

Após três dias de paralisação, trabalhadores acataram proposta feita pelo Tribunal Regional de Trabalho (TRT)

André Ítalo Rocha, O Estado de S.Paulo

06 Julho 2017 | 19h36

Os metalúrgicos da fábrica da Ford em Taubaté, no interior de São Paulo, voltaram ao trabalho nesta quinta-feira, 6, depois de três dias de greve. A decisão de retorno ocorre após proposta feita pelo Tribunal Regional de Trabalho (TRT) de Campinas. Os trabalhadores não serão afetados pelos dias de paralisação.

A greve começou na segunda-feira, 3, em razão de impasse entre os trabalhadores e a empresa em relação à jornada semanal. Enquanto os funcionários queriam trabalhar de segunda-feira a sexta-feira, a empresa pretendia retomar esquema adotado em 2012, em que se trabalhava de segunda-feira a sábado com uma folga na semana.

O TRT propôs que os metalúrgicos voltassem ao trabalho na jornada de segunda-feira a sexta-feira, sem que eles sofram descontos em seus salários referentes aos dias sem trabalho. Uma votação entre os trabalhadores foi realizada na tarde desta quinta-feira e maioria se posicionou a favor.

++ Produção de veículos cresce no 1º semestre e indústria eleva projeções para o ano

Em 2012, quando a produção batia recorde, a empresa e os funcionários concordaram, com o objetivo de ampliar a capacidade da fábrica, em operar com uma jornada de segunda-feira a sábado, com uma folga na semana, com seis turmas em três turnos. Tal medida, segundo a empresa, aumentou a produtividade e resultou na contratação de mais 500 funcionários.

No entanto, com a crise, a produção caiu e o acordo passou a ser desnecessário. Agora que os volumes estão voltando a subir, a Ford quer retomar o que foi combinado em 2012. "A não implementação dessa jornada ameaça seriamente a competitividade da planta", disse a empresa na terça-feira, 4. A Ford também afirmou que a paralisação travaria investimento de R$ 1,2 bilhão na fábrica.

De acordo com a assessoria de imprensa do sindicato dos metalúrgicos da região, os funcionários se recusaram a voltar ao que foi combinado em 2012 porque, pela experiência que tiveram, não consideram favorável, principalmente pela perda do fim de semana completo. A fábrica de Taubaté conta com 1500 trabalhadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.