Assine o Estadão
assine

Economia

Estados Unidos

‘Meu sonho mesmo era ser juiz’

Luís Fernando Azevedo, de 25 anos, é um dos formados da turma de Direito da PUC-GO do segundo semestre de 2014. Completou um ano de graduado do seu “curso dos sonhos”. Mas já desistiu de seguir carreira.

0

O Estado de S.Paulo

09 Janeiro 2016 | 19h16

“Meu sonho mesmo era ser juiz, mas as coisas não fluíram para isso”, conta o advogado, que morava em Goiânia e chegou aos EUA em 12 de agosto.

Luís já conhecia o piloto Wesley Morais, que havia trocado Goiás pelos EUA. E foi Wesley que foi dando informações a ele de como estava o “sonho americano”. Seis meses depois de Wesley, Luís saiu de Goiânia e desembarcou em Boston. “Ele me falou: ‘aqui é tranquilo, tem trabalho, não precisa se preocupar. O ruim é só a neve’”, lembra o advogado, que já trabalhou na Procuradoria Geral do Estado de Goiás.

Nos primeiros três meses, já mudou de cidade três vezes – sempre no Estado de Massachusetts. Lavou pratos e pintou casas, mas agora, no inverno, limpa colégios e entrega pizzas. “O que eu ganho em uma semana aqui eu ganhava em um mês no Brasil”, afirma.

“Pelas circunstâncias em que o Brasil está hoje, é impossível, é fora de cogitação você continuar batendo na mesma tecla, tentando viver em um País que não te faz crescer, que não te dá abertura. Depois desse escarcéu de um ano para cá, o Brasil está ficando para trás”.

Luís não faz ideia de quando voltará ao País. Enquanto isso, junta dinheiro da limpeza de escolas e das entregas de pizza e manda parte dos rendimentos para a família regularmente.

Ele reconhece também as dificuldades: conta que penou para receber salários de um patrão brasileiro. Mas ele diz não se abalar. “Tem hora que bate um aperto de lembrar que deixei tudo para trás e estou aqui hoje. Mas é impossível voltar agora”, conta o advogado.

Mais conteúdo sobre:

Comentários