1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Minha Casa, Pronatec e Fies sofreram cortes de R$ 11 bilhões

- Atualizado: 01 Janeiro 2016 | 05h 00

Minha Casa Minha Vida recebeu R$ 18,2 bilhões entre janeiro e novembro de 2014 ante R$ 11,6 bilhões no mesmo período de 2015

BRASÍLIA - No discurso oficial, a crise econômica não teria afetado o orçamento dos principais programas sociais do governo em 2015. Na prática, a realidade é diferente. Os números do próprio governo apontam um corte de R$ 11 bilhões nas principais bandeiras políticas da presidente Dilma Rousseff.

A maior ceifada foi dada sobre o Minha Casa, Minha Vida (MCMV). Entre janeiro e novembro de 2014, o programa recebeu R$ 18,2 bilhões de aportes da União, em valores atualizados pelo IPCA. No mesmo período de 2015, os desembolsos chegaram a R$ 11,6 bilhões. 

A retração dos investimentos também atingiu o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Entre janeiro e novembro de 2014, foram aplicados R$ 4,5 bilhões no programa. Neste ano, o montante caiu para R$ 2,7 bilhões. 

Os dados do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), compilados pela organização Contas Abertas, apontam ainda que Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) não saiu ileso. Nos primeiros 11 meses do ano, o programa do Ministério da Educação viu seus desembolsos caírem para R$ 12 bilhões, ante os R$ 14,6 bilhões executados de 2014. 

“Sem o apoio do Congresso para reduzir despesas obrigatórias, o governo passou a fazer cortes nas despesas discricionárias, que são os programas sociais e investimentos públicos”, diz o secretário-geral da Contas Abertas, Gil Castello Branco.

O problema é que esses cortes têm efeito marginal sobre as contas da União, já que 90% dos gastos estão atrelados a despesas obrigatórias, ou seja, sem possibilidade de corte.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX