1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Moody’s chega ao Brasil e deve ser 3ª agência a tirar grau de investimento do País

- Atualizado: 02 Fevereiro 2016 | 14h 08

Com piora nas contas públicas, equipe liderada por Nelson Barbosa terá de lidar com a desconfiança na capacidade do governo de equilibrar a situação fiscal

Agência Moody's é a única que ainda mantém grau de investimento do Brasil

Agência Moody's é a única que ainda mantém grau de investimento do Brasil

Com a piora das contas públicas e de outros indicadores da economia brasileira, será difícil para a equipe econômica segurar a perda do grau de investimento pela agência de classificação de risco Moody's, que desembarcou nesta terça-feira, 2, em Brasília para uma nova avaliação do País, na véspera do feriado do carnaval. 

A avaliação é de integrantes do próprio governo ouvidos pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, que destacam ainda que o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, terá o desafio de lidar com a desconfiança das agências em relação aos rumos que ele dará à condução da política econômica. Se confirmado o prognóstico, será a terceira das grandes agências a retirar o grau de investimento do País, acompanhando Standard & Poor's e Fitch.

Depois do rombo de R$ 115 bilhões das contas públicas na semana passada, as agências já manifestaram preocupação com a incapacidade de o governo federal cortar gastos num ambiente onde a receita "não aparece".

A missão da Moody's chega ao País faltando poucos dias para o anúncio do corte do Orçamento da União e depois da mudança de rota da política monetária pelo Banco Central, que decidiu manter os juros em 14,25%, depois de sinalizações de que elevaria a Selic na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom).

Essa é primeira visita de representantes de uma grande agência de classificação de risco com Barbosa à frente do comando do Ministério da Fazenda. No Ministério Planejamento, o ministro chegou a minimizar a impacto da perda do grau de investimento pela S&P, destacando que se tratava "apenas de uma avaliação" de uma agência importante. Essa postura foi bastante criticada pelo seu antecessor no cargo, Joaquim Levy.

Para a agência, Barbosa é considerado uma espécie de "contrapeso" do ex-ministro da Fazenda Joaquim Levy, que queria uma acomodação fiscal mais rápida. Por isso, a desconfiança agora. "Ele vai ter de lidar com essa desconfiança", comentou um fonte da equipe econômica. 

A equipe do ministro deve reforçar a estratégia de reforma fiscal, anunciada na semana passada durante a reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico Social, que inclui bandas fiscais e um teto para o crescimento do gasto. 

No início de dezembro do ano passado, a Moody's pôs a nota de crédito soberano do Brasil em revisão para um possível rebaixamento. A atual nota do país é Baa3, o último nível dentro do grau de investimento. Segundo a agência, na época, as complicações no cenário político pioram a tendência de crescimento da dívida do País. Menos de uma semana depois, a Fitch retirou o grau de investimento seguindo os passos da S&P.

De lá para cá, os indicadores pioraram, principalmente o endividamento público, que mostrou forte crescimento em 2015 com tendência de alta nos próximos anos. A dívida e o seu perfil de composição é um dos principais dados observados pelas agências. Na semana passada, o Tesouro Nacional projetou uma piora do perfil da dívida para 2016 e previu que o quadro só deve melhorar daqui a três anos.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX