1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Para Moody's, recessão e rigidez do gasto público pressionam nota do Brasil

- Atualizado: 25 Março 2016 | 18h 38

Agência que tirou o grau de investimento do País em fevereiro afirma que economia é 'grande e diversificada', mas que fatores comprometem o rating

Moody's aponta que corte de gastos da Petrobrás também pressiona a nota de crédito do Brasil

Moody's aponta que corte de gastos da Petrobrás também pressiona a nota de crédito do Brasil

SÃO PAULO - A agência de classificação de risco Moody's afirmou, em nota divulgada nesta sexta-feira, 25, que a "forte contração" da economia brasileira e a rigidez nos gastos públicos pressionam a nota de crédito do Brasil. De acordo com a agência, isso ocorre apesar de uma economia "grande e diversificada".

A Moody's atualmente qualifica o rating do Brasil como Ba2, com perspectiva negativa. A agência rebaixou a nota do País em dois degraus de uma vez em 24 de fevereiro, tirando o grau de investimento, o chamado "selo de bom pagador". Na ocasião, a Moody's mencionou a deterioração nos indicadores de dívida do governo, diante de um quadro de uma economia fraca e de um "ambiente político desafiador".

"A dinâmica de crescimento continuará fraca nos próximos anos, aumentando a pressão sobre a política fiscal", afirma Samar Maziad, uma vice-presidente e analista sênior da Moody's. Além disso, a agência espera que as taxas de juros permaneçam elevadas em termos reais no País, o que torna a dívida do país "menos acessível".

A Moody's menciona a decisão da Petrobrás de cortar seus gastos de capital de US$ 221 bilhões para US$ 130 bilhões no período entre 2015 e 2019, que também pressiona a economia nacional. Segundo a agência, a empresa representa cerca de 10% do investimento total do País.

O comunicado da agência faz referência a um relatório publicado pela Moody's, com sua análise de crédito anual do governo brasileiro.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX