Assine o Estadão
assine

Economia

Vale

Moody's tira grau de investimento da Vale

Mineradora teve a classificação rebaixada para Ba3, com viés negativo, o que indica a possibilidade de um novo corte na nota; agência rebaixou o Brasil ao grau especulativo na quarta-feira

0

Francine De Lorenzo,
O Estado de S.Paulo

26 Fevereiro 2016 | 20h26

A agência de classificação de risco Moody's rebaixou a nota de crédito em escala global e moeda local da Vale de Baa3 para Ba3. O rating em escala nacional baixou de Aa1.br para A3.br. Ao mesmo tempo, a Moody's retirou o rating de emissor e atribuiu rating corporativo Ba3 para a empresa. A perspectiva é negativa, o que indica a possibilidade de novo rebaixamento.

Moody's também rebaixou o rating de R$ 1,35 bilhão em notas não garantidas seniores (debêntures de infraestrutura), com vencimento em 2020 e 2022 para Ba3 (escala global) e A3.br (escala nacional). Outros R$ 750 milhões em papéis do mesmo tipo também foram rebaixados para Ba3 (escala global) e A3.br (escala nacional).

Em comunicado, a Moody's afirma que a revisão reflete a expectativa de fraco desempenho nos próximos 12 meses devido ao forte declínio nos preços do minério de ferro visto em 2015 e a perspectiva de que o metal não se recuperará de forma substancial antes de 2017. 

Na quarta-feira, 24, a agência de classificação de risco rebaixou a nota de crédito do Brasil em dois patamares, para Ba2, sendo a última entre as três grandes agências a retirar o grau de investimento do País. A perspectiva para a classificação de risco do Brasil também é negativa. 

Na quinta-feira, 25, a mineradora divulgou o balanço de 2015 e reportou um prejuízo de R$ 44,2 bilhões, o maior já visto em empresas com ações na Bolsa desde 1986, segundo a consultoria Economática.

Mais conteúdo sobre:

Comentários