1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Mudanças na regra do seguro-desemprego ampliaram oferta de mão de obra, diz BC

- Atualizado: 19 Fevereiro 2016 | 10h 03

Banco Central, porém, acredita que o efeito foi pequeno; taxa de desemprego teria aumentado nos últimos meses devido a reflexos do ajuste macroeconômico em curso no País

BC constatou que o processo de cortes de empregos formais se iniciou no quarto trimestre de 2014 em todas as regiões, exceto no Sul, onde começou no início do ano passado 

BC constatou que o processo de cortes de empregos formais se iniciou no quarto trimestre de 2014 em todas as regiões, exceto no Sul, onde começou no início do ano passado 

FORTALEZA - As mudanças das regras do seguro-desemprego geraram um aumento da oferta de mão de obra, conforme estudo publicado hoje pelo Banco Central. Intitulado "Efeitos das Mudanças das Regras do Seguro-desemprego", o boxe que acompanha o Boletim Regional cita, porém, que o efeito dessa maior oferta de trabalho tem efeito relativamente pequeno sobre a taxa de desemprego. Por isso, de acordo com o documento, fatores como os reflexos do ajuste macroeconômico em curso no País concorrem para explicar o aumento da taxa de desemprego nos últimos meses.

As regras de concessão do benefício foram alteradas no início do ano passado e ficaram mais restritas. As mudanças no seguro-desemprego afetaram, principalmente, os trabalhadores com menos de um ano no emprego, e que tinham direito ao benefício em três parcelas. Desde março de 2015, não existe mais a possibilidade de acesso ao pagamento a trabalhadores com menos de um ano no emprego, restando apenas os beneficiários com mais tempo de serviço. 

Regiões. O ajuste no mercado de trabalho tem-se concentrado no segmento de empregos formais, em particular na indústria de transformação, no Sul e Sudeste, e na construção civil, no caso de Nordeste, Norte e Centro-Oeste. O documento também cita que os rendimentos do trabalho, após aumentarem por vários anos acima da produtividade, recuaram em 2015, exceto no Centro-Oeste, onde esse movimento iniciou-se no primeiro trimestre do ano anterior.

"Este boxe avalia a disseminação da crise econômica atual pelas regiões do país, com ênfase em indicadores relacionados a investimentos, ao consumo, à indústria e ao mercado de trabalho", explicou o BC no início do documento.

De acordo com o relatório, a evolução do emprego vem repercutindo o processo de retração observado na economia do país. Após apresentar desaceleração na criação de postos de trabalho formais no período do primeiro ao terceiro trimestre de 2014, o mercado de trabalho do Brasil, registrou, de acordo com o BC, "corte crescente" de vagas no intervalo do quarto trimestre de 2014 até idêntico período do ano passado. Nesse período, o número de empregos formais acumulou retração de 3,8%.

O BC constatou que o processo de cortes de empregos formais se iniciou no quarto trimestre de 2014 em todas as regiões, exceto no Sul, onde começou no início do ano passado e mostrou-se mais brando, acumulando redução de 3,0% até o fim de 2015, com ênfase nas contribuições da construção civil e da indústria de transformação. Nas demais regiões, conforme o boxe, destacaram-se as reduções acumuladas do quarto trimestre de 2014 até iguais meses do ano passado de 6,1% no Norte e de 4,1% no Sudeste. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX