1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Mudanças no pré-sal são positivas, avaliam consultores

- Atualizado: 24 Fevereiro 2016 | 23h 03

Analistas veem novas regras como necessárias para dinamizar a atividade do setor no País

RIO - A mudança no marco regulatório do pré-sal, retirando da Petrobrás a obrigatoriedade de participação em todas os consórcios e a exclusividade da operação, é considerada como "positiva e necessária" por especialistas e consultores ouvidos pelo Broadcast, serviço de informações da Agência Estado. A avaliação é que a abertura do mercado a outras empresas poderá dinamizar a atividade econômica do setor de óleo e gás, afetada pela crise na estatal.

O plenário do senado aprovou, por 40 votos a 26, o Projeto de Lei 131, de autoria de José Serra (PSDB-SP), com mudanças propostas pelo relator Romero Jucá (PMDB-RR). Agora, a Petrobrás terá direito de preferência sobre a participação nas áreas e a opção será submetida ao Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), submetido ao Ministério de Minas e Energia (MME) e à presidência.

Analistas apontam que mudança também será positiva para a Petrobrás

Analistas apontam que mudança também será positiva para a Petrobrás

O projeto ainda será encaminhado para a Câmara. Pela legislação atual, a Petrobrás é obrigada a entrar com, no mínimo, 30% de participação nos investimentos nos consórcios em áreas do pré-sal. Além disso, a estatal é a única empresa autorizada a operar as áreas, executando contratações, perfurações e gerindo a produção. O projeto original do senador Serra previa a retirada da exclusividade de operação e também da obrigatoriedade de participação da estatal.

O relator do projeto, o senador Romero Jucá (PMDB-RR), apresentou minutos antes da votação um substitutivo ao texto que permite à estatal a manifestação de interesse e preferência pela participação e operação nas áreas em até 30 dias. Após a manifestação, caberá ao CNPE, composto por ministros, acadêmicos e representantes da indústria, e em última instância, ao governo, a decisão final sobre a participação da empresa e também sobre o ritmo de produção nas reservas.

Na visão de Helder Queiroz, ex-diretor da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e professor do Grupo de Economia da Energia da UFRJ (GEE/UFRJ), a medida corrige distorções e estimula a competição no setor: "O desenvolvimento do pré-sal estava sendo atrasado por causa da questão financeira da Petrobrás. Mas acho que o mais importante é o estímulo à competição nos futuros leilões."

Para David Zylberstajn, também ex-diretor da ANP, a obrigatoriedade de operação única da Petrobrás diminuía a atratividade do País no cenário internacional. Segundo ele, o modelo aprovado em 2009 no governo do ex-presidente Lula representou "um erro que paralisou todo o setor durante muitos anos". "O Brasil vinha de um período de estabilidade regulatória que foi alterada. O Brasil não é a noiva que todo mundo quer casar, mas já foi. As circunstâncias eram boas, hoje não são mais. Então, a empresa estrangeira não vem", afirmou.

Para ele, toda a indústria de petróleo passa por mudanças, diante da alta produção mundial, queda nos preços e busca por novas fontes de energia. "O aumento de oferta e busca de alternativa ao petróleo jogam contra a atratividade do setor petrolífero no mundo inteiro. Aqui, isso é agravado pelo fato de que a produção só pode acontecer com a Petrobrás. A criação de um direito de preferência é melhor do que como está hoje, mas o ideal seria abrir totalmente. Para o interesse nacional, o melhor é maximizar a exploração da riqueza. Tanto faz para o consumidor se a sonda é privada ou estatal. Para a sociedade interessa a riqueza", ponderou.

Para o consultor Carlos Assis, da Ernst & Young Óleo e Gás, a "a ideia de proteger as empresas nacionais e desenvolver o mercado local teve um efeito final contrário", em referência ao conceito que norteava o marco regulatório do pré-sal, revisado hoje.

Segundo ele, a cadeia de fornecedores não se dinamizou com a concentração do poder de contratações na Petrobrás, que ficou sobrecarregada, e provocou uma paralisia na atividade exploratória no País. Assis também considera as mudanças aprovadas no Senado como "necessárias" para retomar a atividade econômica da cadeia de fornecedores, afetada pela paralisia dos investimentos da Petrobrás, e permitir uma "diversificação da indústria" e "distribuição dos riscos" da atividade exploratória.

"As novas regras podem destravar investimentos, independente da questão conjuntural, da dificuldade da Petrobrás e da queda das cotações. A operadora única é um fator inibidor. A indústria tem interesse em operar por que esse é o negócio dela. A competição é saudável. Na medida em que há outros players com papel relevante, há outras tecnologias, outros modos de atuação, outros compradores. A cadeia de fornecimento gera maior atividade na indústria nesse sentido, e isso tudo destrava a economia. É um sinal positivo para o investidor, para recuperar a confiança", avaliou o consultor da EY.

Na mesma linha, a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) encaminhou nota, à tarde, defendendo as mudanças. No comunicado, a entidade enfatizou que o setor de óleo e gás no País gera cerca de 400 mil empregos, que estariam ameaçados com a dependência de investimentos da Petrobrás. A Federação considera que a estatal "não tem condições de assumir as responsabilidades". "Apenas com a mudança das regras será possível a atração de investimentos privados, estimulando a retomada do setor e a geração de empregos", diz o comunicado.

As mudanças também podem ser benéficas para a própria Petrobrás, na avaliação de Carlos Assis. Segundo ele, a empresa passará a ter maior "flexibilidade" na decisão sobre os investimentos a partir de seus critérios e condições internas, sem intervenção direta do governo. "Qualquer companhia deseja que sua decisão de investimento seja orientada pela sua visão técnica. A Petrobrás tecnicamente é uma empresa reconhecida mundialmente. Ela pode competir com as empresas e não necessariamente precisa de proteção. Superada a conjuntura que a Petrobrás atravessa agora, ela vai voltar forte, e se tiver capacidade de investimento e quiser estar presente, ela vai participar dos leilões", completa o consultor. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX