1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Na energia, queda recorde e perspectivas ruins

- Atualizado:08 Janeiro 2016 | 02h 55

Além da desaceleração recorde no consumo de energia elétrica em novembro, registrada pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) constatou uma queda de 1,8% no volume de carga de energia movimentada no Sistema Interligado Nacional (SIN) no ano passado e de 0,5% entre os meses de dezembro de 2014 e de 2015. Há alguns dias, o ONS previu que a demanda cairá 3,9% neste mês, influenciada pelo comportamento dos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul. As quedas seriam maiores não fossem as altas temperaturas no Norte e no Nordeste, induzindo ao maior consumo doméstico.

Segundo a EPE, a energia demandada pelas indústrias caiu 8,9% entre novembro de 2014 e novembro de 2015 e lidera a queda do consumo. No Sudeste o consumo caiu 10% e no Nordeste, 12,9%. O consumo caiu 40% no Espírito Santo por influência do segmento de extração de minerais metálicos. O desastre ambiental em razão do rompimento das barragens da Samarco ajudou a empurrar o consumo para baixo.

Historicamente, há crescimento da demanda de eletricidade mesmo em anos de recessão, pois cresce o número de famílias e de residências para abrigá-las. Mas o comportamento da economia foi tão fraco que o consumo doméstico de energia caiu 2,2% entre novembro de 2014 e novembro de 2015, pior resultado em 12 anos e sétima queda mensal consecutiva.

Além da recessão, a alta das tarifas de energia elétrica em proporção muito superior à da inflação foi determinante para a redução do consumo. E há indicações de que o preço da energia continuará elevado, sob a influência da carga tributária.

Se em 2014, segundo estudo do Instituto Acende Brasil com a PricewaterhouseCoopers (PwC), os tributos corresponderam a mais de 40% do total da receita das empresas do setor elétrico, no biênio 2015/2016 a situação será pior. O risco, segundo o jornal Valor, é de que a carga possa superar 50% da receita mesmo depois dos vultosos subsídios concedidos pelo governo às companhias de eletricidade.

A oferta de energia elétrica é essencial para a economia e o governo é responsável por estabelecer políticas públicas adequadas para o insumo. Não foi o que ocorreu. Tantos foram os erros do modelo de política energética criado em 2012 que ele teve de ser abandonado, não sem antes provocar a desorganização do setor, cujo resultado são tarifas altas e dependência de fontes onerosas.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX