Na recuperação, a diversidade se acentua

Há empresas que conseguem navegar na recessão, mas se tornam insolventes depois dela

José Roberto Mendonça de Barros*, O Estado de S.Paulo

12 Novembro 2017 | 05h00

Finalmente, o Brasil saiu oficialmente do buraco. O Comitê de Datação de Ciclos Econômicos, da FGV, apontou que por longos 11 trimestres vivemos em recessão, de abril de 2014 a dezembro de 2016. Nesse período, o PIB per capita caiu quase 10%, algo difícil de ocorrer em tempos de paz.

Como sempre acontece em recessões profundas, é muito variada a experiência de pessoas, empresas, setores e regiões. Em primeiro lugar, porque é muito diversa a condição de entrada no processo de queda, especialmente quando ela é abrupta, como foi o caso. Algumas pessoas carregam dívidas, outras não, algumas empresas têm sólida estrutura de capital e boa gestão, outras não. Da mesma forma, alguns setores podem estar num ciclo maduro (automóveis e outros bens duráveis), e outros não.

Além da condição de entrada, a vivência na crise também é muito diversa, uma vez que alguns podem ser capazes de fazer um ajuste consistente com a situação, enquanto outros tentam simplesmente se salvar, e nem todos conseguem.

Logicamente, se a condição de entrada varia bastante, e se o mesmo ocorre com a travessia, a retomada do crescimento também vai mostrar situações muito diversas. Estamos vendo, inclusive, empresas que conseguem navegar na recessão, mas que se tornam insolventes quando saem dela, porque seu balanço se deteriorou de forma irrecuperável.

Se essas condições valem para pessoas, empresas e setores, conclui-se que as regiões também tendem a mostrar diversas situações, algumas mais bem ajustadas do que outras.

Uma forma simples de avaliar o que ocorre nas regiões é olhar a evolução da taxa de desemprego. Na esfera federal, essa taxa começou a cair no segundo trimestre deste ano, quando atingiu 13%, depois de bater 13,7% no período de janeiro a março.

Ainda assim, existem Estados nos quais a taxa de desocupação continua a crescer significativamente. Esse é o caso do Rio de Janeiro (de 14,5% para 15,6%), de Pernambuco (de 17,1% para 18,8%), do Piauí (de 12,6% para 13,5%) e de Alagoas (de 17,5% para 17,8%). No remanescente dos Estados do Nordeste, onde o desemprego caiu, seu nível continua bem superior à média brasileira, exceto na Paraíba. Ou seja, temos dois lugares, Rio e Região Nordeste, onde a economia ainda não começou a se recuperar.

Embora o espaço aqui não permita uma análise mais detalhada, creio que podemos dizer que a crise do Rio de Janeiro é muito mais profunda e vai continuar a marcar sua população. Exceto pela recuperação da produção do petróleo, não existe nada que possa se contrapor à derrocada local.

Quanto ao Nordeste, o que chama a atenção é o enfraquecimento sistemático dos puxadores de crescimento regionais, não compensados por outros novos. Falo da morte lenta do Rio São Francisco, que, aparentemente, está tornando impossível a volta da produção de energia elétrica em seus reservatórios, além de estar limitando a produção no importante polo frutícola de Petrolina.

Falo também da persistente redução da produção canavieira da região, que hoje alcança apenas 45 milhões de toneladas. O mesmo ocorre com a produção de petróleo, que caiu 60% entre 2000 e 2016. Naquele ano, o Nordeste produzia 15% do total brasileiro e hoje produz apenas 5%. Ademais, o plano de colocar refinarias novas no Maranhão e no Ceará fracassou totalmente, enquanto a Abreu e Lima se transformou num grande cemitério, depois de gastos US$ 18 bilhões! No mesmo segmento vai o envelhecimento do polo petroquímico da Bahia. A Transnordestina ainda é uma miragem.

A expansão do polo agrícola do Mapitoba e a produção de energia eólica e solar não parecem ter porte para compensar o encolhimento acima mencionado.

Acredito que tenhamos reaberto uma aguda questão regional.

Por outro lado, em outros Estados, é possível perceber um belo ajuste durante a crise que está trazendo oportunidades de crescimento. O exemplo mais acabado, para mim, é o do Estado de Santa Catarina, que tem a menor taxa de desemprego do País, de 7,5%. Lá, o ajuste da indústria na direção da internacionalização e da competitividade (a WEG é o melhor exemplo), bem como a melhora da educação e a atração de novas empresas de base tecnológica, complementa o quadro.

Não tenho dúvida de que Santa Catarina vai bombar e aproveitar ao máximo a recuperação da economia brasileira.

O mapa econômico do País nunca mais será o mesmo.

* ECONOMISTA E SÓCIO DA MB ASSOCIADOS. ESCREVE QUINZENALMENTE

Mais conteúdo sobre:
José Roberto Mendonça de Barros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.