1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail
Entrevista. Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, presidente da Firjan

Para presidente da Firjan, governo perdeu a ‘musculatura’ para liderar as mudanças que o País necessita

‘Não advogo pelo impeachment, mas é um instrumento na mesa’

Para Gouvêa Vieira, País está numa ‘encruzilhada’

Para Gouvêa Vieira, País está numa ‘encruzilhada’

 RIO - Institucionalmente, na qualidade de representante dos industriais fluminenses, o presidente da Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, nega apoio explícito a um eventual impeachment da presidente Dilma Rousseff, mas considera que o atual governo perdeu a “musculatura” para adotar as medidas necessárias na economia e conclama o Congresso Nacional a encontrar uma saída. Nesse quadro, o impeachment da presidente é tratado como “um dos instrumentos” democráticos previstos na Constituição para sair do impasse criado pela crise política.

Em entrevista ao Estado, Gouvêa Vieira sustenta que o Brasil está numa encruzilhada entre adotar uma política econômica com menor peso estatal, para tornar-se desenvolvido, ou seguir por uma política ultrapassada, caminhando para ser uma “republiqueta”. O presidente da Firjan também evita apoiar institucionalmente as manifestações de domingo, apoia o vice-presidente Michel Temer e vê no Congresso capacidade para formar um novo governo, fazendo as reformas necessárias até as eleições de 2018. A seguir, os principais trechos da entrevista:

Como o sr. está vendo o cenário político e econômico?

O grande desafio é ultrapassarmos esse debate político dentro da democracia, usando os instrumentos legais e constitucionais que existem para descobrir a porta de saída. A responsabilidade disso é do Congresso Nacional, dos nossos representantes. Como está, não pode ser. O desemprego vai aumentar mais, a inflação lá em cima, as famílias diminuindo a renda, miséria na rua.

O impeachment é solução?

Não advogo pelo impeachment. Não tenho torcida sobre isso. Agora, é um instrumento que está na mesa, que tem de ser examinado dentro da normalidade. O que existe hoje é uma fraqueza de liderança e uma descrença na liderança brasileira.

Em setembro, o sr. afirmou em entrevista ao ‘Estado’ que a discussão sobre um eventual impeachment não levaria a lugar nenhum. O que mudou desde então?

Tudo. A sociedade mudou sua percepção, o pessimismo, a descrença no Executivo. Quando eu falava sobre isso em setembro, ainda tinha esperança de que o Executivo tivesse musculatura para liderar essas mudanças. Na falta de um Executivo robusto (atualmente), dá para descobrir alternativas. O que se fez de dois meses para cá? Chegamos a uma encruzilhada. Um caminho é perseguir o que os países mais desenvolvidos do que nós fizeram de bom, para nos tornarmos país de primeiro mundo. O outro caminho é o da “republiqueta”, tudo isso que vemos aí em outros países vizinhos. Esse programa que dizem que o PT gostaria de implementar leva à “republiqueta”.

É possível fazer uma “concertação” no Congresso, como propôs o ex-presidente Fernando Henrique, com o governo atual?

É um desafio. Não acredito que o governo atual seja capaz de fazer essa concertação. Se não fez até agora, não vejo que vai fazer.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX