Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Não devemos ter a ilusão de que há forma 'mágica' para o País crescer, diz Levy

Ministro da Fazenda criticou formas 'mágicas' e 'heterodoxas' para o Brasil voltar a crescer e afirmou que é preciso enfrentar problemas estruturais

Lorenna Rodrigues, O Estado de S. Paulo

22 Setembro 2015 | 12h19

BRASÍLIA - O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse que o Brasil não pode ter a ilusão de que há formas "mágicas" ou "heterodoxas" para se chegar a um crescimento mais acelerado. Em evento promovido pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), no Itamaraty, Levy destacou que o desafio do governo não é restaurar o passado, mas sim facilitar o futuro para a população. "É importante estarmos muito antenados com o que está acontecendo no mundo e não apenas tentar reviver o passado", afirmou. "As pessoas têm que ter confiança de que essa transição vai nos levar a uma economia mais aberta, dinâmica e vigorosa", acrescentou.

Levy disse ainda que a economia brasileira tem que ter cada vez mais conteúdo tecnológico e que é preciso produtividade para ter crescimento sólido. "Não podemos viver só do cartão de crédito, gastando o colchão fiscal", reiterou. 

Inflação. O ministro ressaltou a necessidade de o Brasil ter uma agenda de crescimento e desenvolvimento que envolva alcançar o equilíbrio fiscal e uma inflação suficientemente baixa. "Estamos em meio a um processo de ajuste macroeconômico, com uma inflação que começa a convergir para a meta depois de anos de desancoragem", acrescentou. "Uma agenda de crescimento nem sempre se constitui de gestos fáceis. Temos que enfrentar problemas estruturais." 

Levy lembrou que tem desenvolvido com o Congresso Nacional propostas de reformas estruturais que impliquem simplificação dos impostos. "Diminuir custo dos impostos é fundamental para as empresas contratarem mais", afirmou.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Uma agenda de crescimento nem sempre se constitui de gestos fáceis. Temos que enfrentar problemas estruturais, disse Levy
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
De acordo com o ministro, é preciso descobrir como aproveitar a inserção de um grande número de pessoas no mercado de trabalho, vista nos últimos anos, e transformar isso em aumento de produtividade.

Ele ressaltou ainda que é necessário voltar a dar foco a questões como a contratação e a qualidade de projetos de infraestrutura. "Você só tem obra dentro de orçamento se tem um orçamento e um projeto claros", completou.

OCDE. Entre os assuntos que serão discutidos com a OCDE está a qualidade do gasto no Brasil. O ministro disse que gastos como a Previdência Social têm sempre que ser avaliados. Levy ressaltou que é importante rever os objetivos dos gastos e usar os recursos de maneira eficiente. "Em muitos países, o orçamento não é feito de forma inercial. Precisamos verificar o que se obteve com o que se gastou", acrescentou.

Levy destacou que a missão da OCDE representa um passo importante no processo de consolidação das relações com o Brasil e que a organização entende o desenvolvimento econômico de maneira ampla, que envolve inúmeros aspectos das políticas públicas, como educação, meio ambiente e saúde. "Isso para o Brasil é muito importante", avaliou.

Segundo o ministro, o Tribunal de Contas da União tem desenvolvido parceria com a OCDE, o que ele avalia como positivo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.