Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

'Não renunciar vai levar a economia para o buraco', diz economista

Para pesquisadora, Brasil caminha para virar uma Venezuela; ela defende que investigados pela Lava Jato sejam retirados da linha sucessória

Entrevista com

Monica de Bolle, pesquisadora do Instituto Peterson de Economia Internacional

Alexa Salomão, O Estado de S.Paulo

18 Maio 2017 | 17h18

Para a economista Monica de Bolle, pesquisadora do Instituto Peterson de Economia Internacional, o presidente Michel Temer cometeu um erro ao insistir em permanecer no governo e a retomada da economia não é uma justificativa para segurá-lo. "Ele vai levar a economia para o buraco", diz Monica. 

Na avaliação da especialista, não apenas Temer tem de sair. É preciso também tirar da linha sucessória e do governo todos que sejam investigados na Lava Jato ou paire algum risco de envolvimento. 

"O País precisa purgar isso. Na perspectiva de corrosão institucional, se ficar como está, o Brasil caminha para virar uma Venezuela", diz ela. A seguir trechos da entrevista que concedeu ao Estado

Temer decidiu não renunciar. Qual o cenário? 

O Temer deveria ter a hombridade de renunciar. Se ele quer se mostrar tão diferente da Dilma, se quer entrar para a história com alguma dignidade, ele tem que renunciar. Ele tem que fazer o que ela não fez. Não pode ficar nesse jogo de tentar acobertar, de dizer que é tudo mentira. Chega. Ninguém aguenta mais ouvir isso. Insistir é um erro. Precisamos purgar isso. Na perspectiva de corrosão institucional, se ficar como está, o Brasil caminha para virar uma Venezuela. 

Temer argumentou que a economia estava se recuperando, as reformas caminhando e se sair, compromete a perspectiva dessa melhora. 

A economia não pode ser a desculpa para ficar. O dano que essa gente provocou para o País não justifica fechar os olhos para isso. O que está em jogo aqui é o futuro institucional do Brasil. Isso é mais importante que a economia neste momento. Além do mais, não vai vir alívio para a economia com o governo podre. Ele vai levar a economia para o buraco - para o buraco. Não tem saída nessa situação, entendeu? Não tem solução de canto. Ou a gente faz uma mudança de rumo agora ou perde a perspectiva de um futuro melhor. Temer não é ponte para o futuro. Temer é ponte para o passado. É um cara da República Velha. Da república corrupta. Não é o cara que vai fazer reformas. 

Na linha sucessória está Rodrigo Maia, presidente da Câmara, outro investigado na Lava Jato, que vai convocar eleição indireta. Encarar esse rito não daria no mesmo a essa altura?

Não pode ser Maia. Tira Rodrigo Maia. Tira da linha sucessória todo mundo que tem implicação na Lava Jato. Tira do governo. Não pode ficar ninguém sobre o qual recaia alguma possível suspeita. Agora também não temos ambiente político, nem candidatos para fazer eleição indireta ou direta. Precisamos de tempo para uma transição em que possamos ajustar a economia e a política. Tem gente de bem no Brasil. Tem gente que pensa. Essas pessoas precisam se juntar. A travessia para 2018 é: coloca a ministra Carmem Lúcia (presidente do Supremo Tribunal Federal). Faz um pacto nacional com gente de bem. Eles precisam se aglutinar. Se unir. E precisa fazer uma limpeza geral no governo. Tira todo mundo que tem implicação na Lava Jato. Aí vamos ver o que acontece na eleição lá na frente. A república velha, corrupta, ruiu. Acabou.

Mais conteúdo sobre:
Michel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.