Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Não vamos permitir preços abusivos, diz Temer sobre cartéis em postos de combustível

Presidente afirmou que as variações constantes dos preços da gasolina começaram a acontecer com a mudança da fórmula adotada pela Petrobrás, que permite ajustes quando há mudança do preço no mercado internacional

Tânia Monteiro e Elizabeth Lopes, Broadcast

09 Fevereiro 2018 | 09h52

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer confirmou na manhã desta sexta-feira, 9, em entrevista à Rádio Guaíba, do Rio Grande do Sul, que determinou ao CADE - Conselho de Administrativo de Defesa Econômica e à Polícia Federal que investiguem postos de combustíveis suspeitos de manipulação de preços e formação de cartel. E queixou-se da elevação dos preços no gás de cozinha, adiantando que seu governo está "examinando uma fórmula para compensar este aumento para os mais pobres" que deverá ser anunciada em uma ou duas semanas, sem citar, contudo, que tipo de medida será adotada.

"Nós vamos colocar a Polícia Federal e o Cade atrás dessa fiscalização para impedir esta agressão ao consumidor. Essa providencia está sendo tomada. Não vamos permitir preços abusivos", avisou Temer que, em sua fala, tentou explicar que estas variações constantes no preço dos combustíveis começaram a acontecer com a mudança de fórmula adotada pela Petrobrás, que permite ajustes quando há mudança do preço no mercado internacional. Mas reconheceu que, "quando tem aumento, os preços nas bombas aumentam, mas quando tem redução, o mesmo não acontece". Por isso, advertiu, que serão feitas fiscalizações para evitar os abusos.

Temer fez questão, mais uma vez, de dizer que foi o seu governo que recuperou a Petrobrás, cuja marca se tornou "um palavrão" por conta dos problemas ocorridos no governo passado. "O Pedro Parente, do nosso governo é que recuperou a Petrobras. Há dois anos, era quase um palavrão, tamanha desvalorização. Nós recuperamos com atuação eficiente e decidiu-se fazer aumentos de acordo com a variação internacional", observou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.