1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Nissan nega acusação de desrespeito às leis trabalhistas nos EUA

- Atualizado: 18 Fevereiro 2016 | 17h 21

Representantes da CUT e da Força Sindical promoveram protesto contra a empresa nesta quinta; sindicato nos EIA convocou a manifestação

Trabalhadores protestam contra a Nissan no Rio

Trabalhadores protestam contra a Nissan no Rio

RIO - A Nissan, em resposta à manifestação de trabalhadores ocorrida no Centro do Rio, pela manhã desta quinta-feira, afirmou que "respeita as leis trabalhistas" e mantém contato com sindicatos nas localidades onde estão instaladas suas fábricas, no mundo todo. A acusação contra a empresa é de perseguição a sindicalistas do Mississipi, nos Estados Unidos, e submissão dos funcionários do estado norte-americano a condições desumanas de trabalho. 

De acordo com a United Auto Works Union (UAWU), entidade sindical nos EUA que convocou a manifestação no Rio, a Nissan chegou a obrigar funcionárias da fábrica no Mississipi a usar fralda geriátrica para evitar a ida ao banheiro e, com isso, a interrupção do trabalho.

Sobre as condições de trabalho no Brasil não há queixas, disse o diretor da Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM) Waldir Freire Dias. "Por estar há pouco tempo em Resende (RJ), a Nissan mantém conversa com os sindicatos. Mas, nos Estados Unidos, a situação é bem diferente. Uma empresa que se coloca como patrocinadora de um evento internacional, como as Olimpíadas, precisa se posicionar sobre como trata os seus funcionários", afirmou Dias. 

Representantes da CUT e da Força Sindical promoveram o protesto contra a empresa em frente à sede do comitê organizador dos jogos olímpicos, o Rio 2016, com o argumento de que uma patrocinadora das olimpíadas não deveria desrespeitar as leis trabalhistas. "Não somos contrários aos investimentos da Nissan ou às Olimpíadas. Estamos protestando pelos trabalhadores. Queremos que a Nissan respeite as leis trabalhistas", disse Dias.

Em nota, a empresa afirmou que "oferece excelentes benefícios, um ambiente de trabalho que ultrapassa os parâmetros definidos pela indústria".

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX