1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Nosso ajuste será por investimento', diz Dilma

- Atualizado: 07 Janeiro 2016 | 14h 51

Presidente comparou momento econômico do Brasil com o vivido pela China e afirmou que no país asiático as mudanças se darão de forma diferente

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quinta-feira que a situação da economia chinesa preocupa e tem consequências no restante do mundo, mas destacou que as mudanças nas políticas macroeconômicas dos dois países se dará de forma distinta. "O ajuste da China é diferente do nosso. O nosso é por meio de mais investimento, o da China, por mais consumo", afirmou, durante café da manhã com jornalistas. 

O governo está muito preocupado com os problemas enfrentados na economia chinesa, que vêm afetando os mercados em todo o mundo, inclusive nos Estados Unidos e no Brasil. Dilma considera "uma vantagem" o fato de o País ter US$ 370 bilhões de reservas porque este é um "colchão" protetor contra maiores turbulências internacionais, mas descarta o uso desses recursos para ajudar na retomada do crescimento, proposta que está sendo estudada pelo governo.

Dilma comparou o Brasil à China

Dilma comparou o Brasil à China

Nesta quinta-feira, durante encontro com a imprensa, Dilma negou que esteja estudando o uso das reservas, como defendem alguns membros do PT e do governo. "Sequer discutimos isso", declarou. 

A China é um grande comprador de commodities do Brasil e a economia americana está fortemente atrelada à chinesa, e um problema que afete estes dois mercados atingirá em cheio o Brasil. Daí a preocupação do governo, que já estava lidando com perspectivas sombrias para o primeiro e o segundo trimestres deste ano no País. Nesta quinta, a bolsa da China despencou 7,3% e fechou mais cedo pela segunda vez na semana. 

Dilma destacou que o Brasil vai continuar trabalhando para estreitar as relações comerciais com o país asiático.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX