1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Novo plano de investimento da Petrobrás será ainda mais enxuto que o de 2015

- Atualizado: 07 Janeiro 2016 | 05h 00

Orçamento da estatal para os próximos cinco anos, que deve ser anunciado em fevereiro, reforça o novo perfil da companhia, com mais foco em produção em águas profundas e menos em exploração; lista de ativos à venda pode aumentar

RIO - Após um ano de ajustes nas contas e dois cortes no orçamento, em meio à forte depreciação cambial e à queda nas cotações de petróleo, a Petrobrás planeja divulgar até o próximo mês um novo plano de investimentos para o período de 2016 a 2020. Segundo fontes envolvidas na elaboração do documento, o orçamento de 2016 será ainda mais enxuto do que os US$ 19 bilhões anunciados em outubro, na última revisão do plano de negócios.

Os investimentos devem reforçar o novo perfil da empresa, focado na produção em águas profundas e com gasto menor na atividade exploratória. Blocos em terra ou em águas rasas já não estão no radar da empresa, ao contrário do que acontecia até o ano passado, quando passou a rever seu portfólio diante da restrição de caixa em meio à crise da indústria. Como resposta, a estatal colocou áreas menos atrativas à venda e apostou na produtividade das áreas do pré-sal.

Hoje, a refinaria Abreu e Lima opera com 64% de sua capacidade 

Hoje, a refinaria Abreu e Lima opera com 64% de sua capacidade 

“A empresa terá de pagar por um profissional. É melhor pagar quem atua no pré-sal, que produz 20 mil barris por dia ou quem atua em outra área, onde a produção é de 2 mil barris por dia? No pré-sal, é claro”, ressaltou o executivo, que pediu anonimato. Ele destacou que, ainda que os desafios logísticos e tecnológicos encareçam o pré-sal, a empresa ganha em escala.

No segmento de produção e venda de combustíveis, a petroleira considera até mesmo perder participação de mercado para concorrentes. Os preços praticados pela estatal estão mais altos que o valor cobrado no exterior – medida adotada para recompor o caixa da petroleira. Como consequência, outras distribuidoras passaram a ampliar importações de combustíveis para revender em suas redes a preços mais competitivos, ampliando sua presença no mercado doméstico. Ainda assim, a avaliação na Petrobrás é que entre investir e perder participação de mercado, a empresa prefere a segunda opção.

Além de investir menos, a petroleira pode ainda aumentar a lista de ativos à venda, caso perceba que a meta de arrecadação com essas vendas não será atingida. Depois de se desfazer da participação na Gaspetro e com o adiamento da abertura de capital da BR Distribuidora, a estatal ainda tem 26 ativos em negociação para alcançar a meta de US$ 59 bilhões até 2018. “Se percebermos que não vamos cumprir a meta, aumentaremos a lista de ativos”, disse outra fonte a par do assunto.

A venda de ativos continua como a principal arma da estatal para reduzir sua alavancagem, indicador que mede a relação entre o endividamento e a capacidade de geração de receita da companhia. No terceiro trimestre de 2015, a empresa declarou endividamento total acima de R$ 500 bilhões.

Apesar da situação delicada, a fonte comentou que a Petrobrás tem caixa suficiente para honrar compromissos até julho de 2017. A avaliação é que a situação de caixa é mais confortável neste ano e, por isso, não há necessidade de captar recursos com emissão de títulos no mercado financeiro. Outras alternativas estão em estudo, como a securitização da receita de exportações de petróleo, operação na qual os recursos são antecipados com a emissão de títulos associados à venda de óleo no exterior.

Cortes. Em junho de 2015, a estatal divulgou o plano de negócios de cinco anos. Para 2016, a previsão inicial era investir US$ 27 bilhões. Em outubro, a companhia reviu números e indicou que, para este ano, os gastos seriam de US$ 19 bilhões. O novo corte previsto para o próximo plano de negócios, a ser divulgado em fevereiro, sinaliza o esforço da diretoria para equacionar a frágil situação financeira da empresa, que sofre desde 2014 os efeitos da queda nas cotações do petróleo.

Nesta quarta-feira, 6, o barril de óleo foi negociado nas bolsas de Londres e Nova York, em média, a US$ 34. Até agosto de 2014, os valores estavam em cerca de US$ 110. A mudança no cenário global provocou uma revisão nos investimento da indústria de petróleo em todo o mundo – desde venda de ativos, cancelamento de investimentos até demissão de funcionários.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX