CLAYTON DE SOUZA/ESTADÃO
CLAYTON DE SOUZA/ESTADÃO

Novo presidente da Caixa prioriza habitação

Nelson Antônio de Souza tomou em substituição a Gilberto Occhi, que assumiu o posto de ministro da Saúde

O Estado de S.Paulo

02 Abril 2018 | 12h44

BRASÍLIA - O novo presidente da Caixa, Nelson Antônio de Souza, disse nesta segunda-feira o que existe um grande espaço para a expansão do crédito habitacional, uma vez que a carteira total não chega ao equivalente a 10% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Ele informou que a instituição tem este ano R$ 82 bilhões para financiar imóveis, o mesmo montante do ano passado. Mas, já em 2017, a concessão de crédito precisou ser suplementada e chegou a R$ 86 bilhões.

"O crédito habitacional é o grande gerador de emprego e renda", disse ele, ao destacar ser essa a prioridade da Caixa. "Tenho o dever de dar continuidade ao trabalho de Gilberto Occhi e saber que a economia, para ter um desenvolvimento contínuo, tem de gerar emprego e renda." Ele disse ainda que o plano é seguir com a atuação nos programas de governo e expandir o crédito "de maneira responsável". 

Souza tomou posse mais cedo como presidente da Caixa, em substituição a Gilberto Occhi, que assumiu o posto de ministro da Saúde. Até então, era vice-presidente de Habitação do banco. 

+ Crédito para financiamento de imóveis cai pela metade desde o pico em 2014

Occhi disse, logo após tomar posse na manhã desta segunda-feira, que é necessário "garantir as conquistas" do governo do presidente Michel Temer, como a redução da taxa de juros e a criação do teto de gastos. Em meio às denúncias de favorecimento ao setor portuário, que vieram à tona durante a Operação Skala e que levaram à prisão de pessoas próximas do presidente, Occhi adotou um discurso em defesa da continuidade.

"Denúncias que mais tarde não são caracterizadas fazem mal à democracia, à liberdade, às pessoas. O presidente não quis que não se apurasse, mas não podemos condenar as pessoas de forma antecipada", disse./Lu Aiko Otta, Carla Araújo, Felipe Frazão e Ligia Formenti​

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.