1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Fila do desemprego em São Paulo cresce 23,8% em 2015 e já tem 1,5 milhão de pessoas

- Atualizado: 27 Janeiro 2016 | 12h 52

Taxa média de desemprego na região metropolitana subiu de 10,8%, em 2014, para 13,2% no ano passado, aponta Seade

SÃO PAULO - O número total de desempregados na região metropolitana de São Paulo avançou 23,8% entre 2014 e 2015: de 1,182 milhão para 1,463 milhão de pessoas. No período, a taxa média de desemprego subiu de 10,8% para 13,2%. Os dados são da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) divulgada nesta quarta-feira pela Fundação Seade.

A deterioração do mercado de trabalho no ano passado é resultado da queda de 1,4% no nível de ocupação, com a eliminação de 137 mil postos de trabalho, e o crescimento de 1,3% da População Economicamente Ativa (PEA), ou seja, um aumento de 144 mil pessoas procurando emprego.

Mercado de trabalho se deteriora na maior região metropolitana do País 

Mercado de trabalho se deteriora na maior região metropolitana do País 

O detalhamento por setores mostra que apenas o segmento da metal-mecânica cortou 70 mil vagas (-10,6%) em 2015. Já o setor da Construção eliminou 59 mil postos (-8,0%), enquanto Serviços cortou 31 mil vagas (-0,6%). No período, apenas o Comércio e Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas contribuiu para a diminuição do desemprego, com a geração de 35 mil postos de trabalho (+2,1%).

A taxa de desemprego na região metropolitana, no entanto, apresentou um leve recuo para 13,9% em dezembro, depois de ficar em 14,1% em novembro, "em movimento típico para o período", revela o estudo. A Fundação Seade destaca que, desta forma, a taxa de desemprego permanece "em relativa estabilidade" pelo terceiro mês consecutivo. Em dezembro de 2014, a taxa estava em 9,9%.

Renda. O rendimento médio real dos ocupados na região metropolitana de SP subiu 1,2% em novembro ante outubro, para R$ 1.919,00. A renda média real dos assalariados, cresceu 2,2% no período, para R$ 1.964,00. Em consequência, a massa de rendimentos dos ocupados teve alta de 1,5%, enquanto a dos assalariados avançou 1,7%.

Na comparação com novembro de 2014, no entanto, houve quedas dos rendimentos médios reais dos ocupados e dos assalariados, de 9,3% e 7,5%, respectivamente. Com isso, as massas de rendimentos de ambos também recuaram: 11,6% e 11,7%, nesta ordem, sendo que o encolhimento do rendimento médio pesou mais para o movimento do que a redução do nível de ocupação, destaca a Fundação Seade.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX