1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Números reveladores de uma situação dramática

Os dados gerais muito negativos do varejo ficaram perfeitamente conhecidos com a divulgação da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) do IBGE. Já os números apurados pela FecomercioSP e pela Confederação Nacional do Comércio (CNC) mostraram o impacto perverso da recessão não apenas para os consumidores, mas para as empresas varejistas. Eles dão a dimensão do drama vivido pelo setor.

Em 2015, no pior momento para as vendas em 15 anos, foram fechados 95,4 mil estabelecimentos comerciais com pelo menos um empregado, segundo a CNC. A queda foi de 13,4% em relação a 2014, porcentual muito mais elevado do que o do recuo do volume de vendas no período, de 8,4%.

O fechamento de uma loja não afeta apenas empregados e proprietários do estabelecimento, mas fornecedores, locadores e a receita tributária de União, Estados e municípios. É notório o aumento do número de lojas fechadas em shoppings e grandes avenidas. A situação piorou muito em 2015. Já havia recessão em 2014, mas, se as vendas caíram 1,6%, o número de lojas cresceu 1,6%.

O fechamento de estabelecimentos ocorreu nos 11 segmentos analisados pela CNC, mas foi mais notável em materiais de construção (18,3%), informática e comunicações (16,6%) e móveis e eletrodomésticos (15%). A queda foi grande inclusive em segmentos de consumo necessário: 25,6 mil hiper e supermercados foram fechados. Por regiões, entre os Estados mais atingidos estiveram Espírito Santo, Amapá e Rio Grande do Sul. Só em Roraima o número de lojas abertas foi positivo. O Estado de São Paulo perdeu 28,9 mil lojas, segundo a CNC.

Os números da FecomercioSP, baseados em informações da Secretaria da Fazenda, traduzem bem a gravidade do problema: entre janeiro e novembro de 2014 e de 2015, as vendas do varejo paulista caíram 6,5%, ou R$ 34,2 bilhões. Em novembro a queda foi de 10,1%, correspondendo a R$ 5,3 bilhões. No Município de São Paulo houve queda de 7,2% em relação a novembro de 2014, pior resultado para o mês desde 2009.

Os efeitos do recuo do varejo são disseminados. A relação entre o consumo das famílias e o Produto Interno Bruto é da ordem de 60% (o governo consome 20%). Daí serem alarmantes as previsões dos economistas da FecomercioSP de que “em 2016 poderá se consolidar a maior crise já vivida pelo comércio paulista” – o que certamente se aplica ao varejo de todo o País.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX