Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Nunca o País precisou tanto de uma agenda reformista, diz Alckmin

Durante o Fórum Econômico Mundial, em São Paulo, o governador Geraldo Alckmin manifestou apoio às reformas econômicas de Michel Temer e lembrou que a desigualdade de renda segue sendo um dos maiores desafios do País

Eduardo Laguna, Daniel Weterman e André Ítalo Rocha, Broadcast

14 Março 2018 | 12h26

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), aproveitou a realização do Fórum Econômico Mundial na capital paulista nesta quarta-feira, 14, para fazer afagos ao presidente Michel Temer (MDB), também presente ao evento, e manifestar apoio à agenda reformista apresentada pelo emedebista.

“Não é fácil fazer reforma, há um conservadorismo enorme. É difícil mexer nas coisas e nunca o País precisou tanto de uma agenda reformista”, comentou o tucano em plenária do fórum, onde dividiu o palco com o prefeito de São Paulo, João Doria - que não recebeu do governador o mesmo tratamento elogioso concedido a Temer -, o chanceler Aloysio Nunes e o ex-jogador Pelé.

“A agenda que o presidente Temer colocou é a agenda do Brasil, necessária ao crescimento”, complementou o governador, após dizer que é uma honra para São Paulo receber o presidente da República.

Alckmin, em seu discurso, comentou que o fórum ocorre num dos melhores momentos da economia mundial e de recuperação econômica no Brasil. Lembrou, porém, dos desafios na América Latina da desigualdade de renda, da segurança e da abertura econômica, “quando alguns caminham a um protecionismo não adequado”. O caminho, ressaltou o governador, é o comércio, a agenda da competitividade e a integração latino-americana.

'Governos liberais'. No mesmo evento, o prefeito de São Paulo, João Doria, afirmou que não há mais espaço para ditaduras na América Latina, "nem de direita nem de esquerda". "Há espaço para governos liberais que acreditam na democracia com desenvolvimento econômico", declarou. Ele pediu que os presentes no evento aproveitem a estadia na cidade para promover negócios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.