1. Usuário
Assine o Estadão
assine

O investimento necessário em energia é vultoso

O Estado de S.Paulo

05 Junho 2014 | 02h 05

A Agência Internacional de Energia (AIE) estima em US$ 48 trilhões - quase 20 vezes o PIB do Brasil - a necessidade de investimento global no setor até 2035. As estimativas mostram a importância das políticas energéticas não apenas para identificar novas fontes de energia, mas para recuperar ou preservar as já existentes, além da exigência de investir em tecnologias voltadas para a sustentabilidade.

Cerca de 2/3 do investimento serão de responsabilidade dos países emergentes, segundo a AIE, um dos mais notáveis centros de estudos do mundo, patrocinado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Do valor estimado de investimentos, cerca de US$ 40 trilhões deverão ser carreados para o suprimento - e desse total, US$ 23 trilhões para a extração de energia fóssil, principalmente petróleo e gás, transporte e refino. Outros US$ 10 trilhões irão para a geração energética baseada em tecnologias com baixo índice de carbono - dos quais US$ 6 trilhões para energias renováveis e US$ 1 trilhão para energia nuclear - e mais US$ 7 trilhões para transmissão e distribuição de energia.

Os números impõem aos países - em especial os emergentes, como o Brasil - a definição de políticas consistentes de investimento em energia, que assegurem tanto os recursos como a oferta sustentável desse insumo básico. Isso é tão ou mais necessário do que a busca do custo módico da energia.

A atratividade do mercado brasileiro para os investidores internacionais depende dessa confiabilidade e segurança energética (além de contribuir, conjunturalmente, para financiar o déficit da conta corrente do balanço de pagamentos).

Os erros do governo Dilma Rousseff ao mudar o modelo energético, em fins de 2012, tornam-se cada vez mais explícitos, como o esgotamento, antes do previsto, do crédito de R$ 11,2 bilhões às distribuidoras, como reconhece a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). E a incerteza regulatória é um fator de desestímulo aos investimentos em energia. As vicissitudes afetam todo o setor energético. Há os colapsos no abastecimento de eletricidade em regiões metropolitanas, inclusive São Paulo; desperdício de recursos em empreendimentos como a Refinaria Abreu e Lima; e uma política de preços dos derivados de petróleo que prejudica a Petrobrás e leva as usinas de álcool à crise.

O estudo da AIE é um alerta para a urgência de corrigir a política energética brasileira.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo