1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

O retorno de uma velha inimiga

- Atualizado: 18 Março 2016 | 10h 06

Os países da América Latina não aprenderam a lição e levaram seus bancos centrais a um novo teste inflacionário

No Brasil, taxa anual de inflação está em cerca de 10,5% 

No Brasil, taxa anual de inflação está em cerca de 10,5% 

Os latino-americanos mais velhos guardam lembranças muito nítidas da hiperinflação. Bello (*) lembra-se de trocar dinheiro em meados dos anos 1980 na Bolívia e sair das espeluncas onde as transações aconteciam com um maço gordo de cédulas ensebadas, amarrado com elásticos. O Peru fez uma malfadada reforma monetária, em que o sol perdeu três zeros e por alguns anos foi substituído pelo inti, que não tardou a acumular outros tantos zeros.

A hiperinflação destroça empresas, corrói sistemas políticos e tem consequências particularmente nefastas para os mais pobres. Era de se esperar que a América Latina tivesse aprendido essa lição amarga. Por isso, Bello experimentou um misto de déjà-vu e consternação recentemente em Caracas, quando, em troca de algumas centenas de dólares, recebeu uma caixa de sapatos abarrotada de bolívares. De acordo com as estatísticas oficiais, no ano passado, o índice de preços ao consumidor subiu 181% na Venezuela, maior alta registrada no mundo.

Para o Fundo Monetário Internacional (FMI), a inflação do país deve bater em 720% este ano. A Venezuela é um caso extremo de inépcia e negligência na administração da economia. Mas, enquanto o resto do mundo se inquieta com a deflação, em muitos países latino-americanos os preços estão em alta. Na Argentina, a inflação anual deve subir de 27% para 33%; no Brasil, está em cerca de 10,5%; no Uruguai, é apenas um ponto porcentual mais baixa, e na Colômbia, chegou a 7,6%. No Chile, no Peru e no México também se observa ligeira alta.

Os motivos variam um pouco. Na Venezuela e na Argentina, a elevação dos preços é consequência, sobretudo, da emissão de dinheiro para financiar subsídios indiscriminados. Ironicamente, na Argentina, é o corte desses subsídios, promovido pelo novo governo de Mauricio Macri, que está fazendo a inflação subir agora.

No Brasil, o governo também eliminou subsídios à energia elétrica e gasolina em 2015. Mas, segundo o economista Edmar Bacha - que nos anos 1990 integrou a equipe responsável por controlar o então crônico processo inflacionário brasileiro -, a principal razão de a inflação estar tão alta, apesar da recessão profunda que o País atravessa, é a indexação de preços. Em janeiro, por determinação legal, houve um reajuste de 11,6% no salário mínimo. O aumento tem impacto sobre outros salários e sobre as aposentadorias da Previdência Social, além de influenciar os preços dos serviços. Somado à negligência fiscal dos últimos anos, torna risível a meta de inflação (por si só já bastante tímida) de 4,5%, com margem de tolerância de 2 pontos porcentuais para baixo ou para cima, fixada pelo Banco Central.

Em outros países, a alta da inflação é consequência de desvalorizações cambiais, que estão empurrando para cima os preços dos produtos importados. Esse fator também está presente no Brasil e na Argentina. Embora o baque do câmbio tenha sido grande, as desvalorizações são saudáveis: é por meio delas que as economias latino-americanos estão se ajustando à queda brutal nos preços de suas exportações de commodities. Mas também colocam um dilema para os bancos centrais que adotam o regime de metas de inflação. No Brasil, no Chile, na Colômbia e no Peru, a autoridade monetária começou a subir os juros no ano passado, mesmo com a economia em desaceleração ou estagnada. No mês passado, foi a vez da Argentina promover a elevação de suas taxas de juros.

A boa notícia, segundo Alejandro Werner, do FMI, é que o repasse da desvalorização para os preços internos vem ocorrendo em proporção muito inferior à observada no passado. Pesquisa da instituição mostra que, antes de 1999, quando diversos países da região adotaram o câmbio flutuante e as metas de inflação, grandes desvalorizações exerciam enorme pressão sobre a taxa de inflação. Agora, o repasse médio nesses países está abaixo de 10% (isto é, se a moeda se desvaloriza 10%, os preços internos sobem menos de 1%).

O banco central mexicano também elevou os juros no mês passado, muito embora a inflação do país esteja abaixo da meta estabelecida pela autoridade monetária. O peso foi golpeado pela queda nos preços do petróleo e pela fragilidade da indústria nos Estados Unidos, com a qual a economia mexicana está intimamente associada. Como o peso tem grande liquidez e é negociado dia e noite em mercados offshore, apostar contra a moeda parece ser “o caminho de menor resistência” para os operadores de câmbio, diz Luis Arcentales, do banco Morgan Stanley.

O banco central do México também anunciou que começaria a fazer intervenções no mercado cambial. Seria um sinal de que, em vez de se concentrar na inflação, a autoridade monetária agora estabeleceu uma meta para a taxa de câmbio? Não exatamente: a autoridade monetária estava preocupada com a possibilidade de que o ritmo de desvalorização do peso alimentasse expectativas de uma inflação futura mais alta. “Agindo com mais vigor agora, provavelmente será possível evitar um arrocho maior mais para a frente”, diz Arcentales.

As desvalorizações dos últimos dois anos são o primeiro grande teste a que é submetido o regime de metas de inflação na América Latina. Pode-se debater se este ou aquele banco central deveria ter apertado a política monetária mais cedo, ou mais tarde. Em linhas gerais, o que se percebe é que, para os países que perseguiram com mais seriedade suas metas de inflação, o custo da adaptação a um ambiente externo mais desfavorável está sendo muito menor. Pelo menos esses aprenderam a lição dos anos 1980.

(*) Nome dado a uma coluna publicada semanalmente na seção “Americas” de The Economist, onde as matérias, por decisão editorial em vigor desde a fundação da revista, em 1843, só excepcionalmente são assinadas. Criada em 2014, e atualmente sob responsabilidade do jornalista Michael Reid, a coluna é uma homenagem ao venezuelano Andrés Bello, importante intelectual e político latino-americano do século 19.

© 2016 THE ECONOMIST NEWSPAPER LIMITED. DIREITOS RESERVADOS. TRADUZIDO POR ALEXANDRE HUBNER, PUBLICADO SOB LICENÇA. O TEXTO ORIGINAL EM INGLÊS ESTÁ EM WWW.ECONOMIST.COM.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX