1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

O Rio de Janeiro na contramão

- Atualizado: 16 Janeiro 2016 | 13h 35

No fim de 2015, o governo do Rio sancionou duas leis que ampliam a tributação sobre o setor de petróleo e gás: as Leis n.º 7.182 e n.º 7.183, que deverão entrar em vigor no final de março. A primeira cria uma taxa a ser paga em cada barril de petróleo e a segunda versa sobre a cobrança de alíquota de ICMS sobre operações de circulação de petróleo. A nova legislação nasceu sob contestação das empresas petrolíferas, que classificam as leis como inconstitucionais, além de representarem mais instabilidade regulatória e insegurança jurídica.

A Lei n.º 7.182 cria a Taxa de Controle, Monitoramento e Fiscalização Ambiental das Atividades de Pesquisa, Lavra, Exploração e Produção de Petróleo e Gás (TFPG). O fato gerador da taxa é o exercício regular do poder de polícia ambiental conferido ao Instituto Estadual do Ambiente (Inea) sobre as atividades de petróleo e gás realizadas no Rio de Janeiro. A TFPG será de R$ 2,71 por barril de petróleo ou unidade equivalente de gás extraído, a ser recolhida mensalmente, e o governo espera arrecadar R$ 2 bilhões por ano.

Já a Lei n.º 7.183 estabelece a cobrança de alíquota de ICMS, incidente sobre operações de circulação de petróleo, desde os poços de extração até a empresa concessionária. De acordo com o texto, a base de cálculo será o preço de referência do petróleo e a alíquota do imposto será de 18%.

O fato é que ambas as leis têm a constitucionalidade questionável e ressuscitam tentativas similares obstruídas em governos anteriores. A arrecadação da TFPG é considerada destoante do custo do aparato estatal necessário para o exercício da fiscalização de polícia veiculada pela taxa. Sendo assim, a nova taxa assume mais caráter arrecadatório, no contexto de crise orçamentária do Rio de Janeiro, do que fiscalizatório, contradizendo o argumento de criação da taxa. Além disso, a competência de criação de tal taxa pelo Estado do Rio é questionável, por ser conferida ao Ibama ou à Agência Nacional do Petróleo (ANP), que já cobram taxas para o monitoramento e vigilância da atividade de exploração e produção.

Tentativa de criação de um tributo similar à TFPG ocorreu em dezembro de 2012, e foi vetada integralmente pelo então governador Sérgio Cabral, sob o argumento de que a proposta invadia a competência reservada à chefia do Poder Executivo e porque estabelecia uma base de cálculo própria de imposto. No caso da lei recém-sancionada, o governo do Estado não fez nenhuma consideração sobre supostos abusos.

Já a Lei n.º 7.183 foi explicada como uma correção dos resultados danosos que a não incidência do ICMS sobre o petróleo trouxe ao Rio, gerando desfalques aos cofres estaduais estimados em R$ 100 milhões por mês. Essa lei, por sua vez, ressuscita a Lei Noel, de 2003, que foi alvo de Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin 3.019) ajuizada no Supremo Tribunal Federal (STF). Na ocasião, a então governadora Rosinha Garotinho suspendeu, por tempo indeterminado, a regulamentação da cobrança do tributo. Embora a Adin referente à Lei Noel ainda não tenha sido julgada pelo STF, o tributo voltou, agora, com evidente objetivo arrecadatório.

As novas leis vão na contramão do que está acontecendo atualmente no mercado de petróleo. O setor já tem uma carga tributária pesada e, portanto, a criação de tributos é prejudicial tanto para o governo quanto para as empresas, pois reduz os investimentos num momento de crise da Petrobrás e de colapso de preços do barril de petróleo. Além de afastar novos investidores, as novas medidas podem afetar projetos já em curso da indústria de petróleo, diminuindo inclusive a arrecadação de royalties e participações especiais e a geração de emprego e renda.

Chama a atenção a falta de sensibilidade do governo do Rio e do próprio governo federal, que, também dentro do espírito arrecadatório, está propondo, por meio de uma audiência pública da ANP, a elevação do preço de referência do petróleo usado para cálculo dos royalties, em relação ao que ocorre no mercado do petróleo, em particular com a Petrobrás. Com certeza, não existe momento mais inadequado.

* Diretor do Centro Brasileiro de Infra Estrutura (CBIE)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX