Obama relaciona mudança em etanol a preço de alimentos

O senador democrata Barack Obama, que concorre à vaga de seu partido para disputar a eleição presidencial norte-americana este ano, afirmou ontem que os biocombustíveis "podem estar contribuindo" para os preços mais altos dos alimentos. "Não há dúvida de que os biocombustíveis podem estar contribuindo para isso", declarou ele à NBC News. "Se for concluído que temos que fazer mudanças em nossa política de etanol para ajudar as pessoas a terem algo para comer, então esse deverá ser o passo que temos que dar." De acordo com a Energy Bill aprovada no fim do ano passado, 36 bilhões de galões de etanol à base de milho e outros combustíveis renováveis deverão ser misturados à gasolina até 2022. Atualmente, cerca de um quarto do milho produzido anualmente nos Estados Unidos é utilizado na produção de etanol, segundo o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA). De acordo com o economista-chefe do USDA, o uso do milho na produção de etanol tem contribuído para os preços mais elevados de alimentos e bebidas à base da commodity, como cereais e refrigerantes. Segundo Obama, "o etanol tem sido uma importante ferramenta de transição para que comecemos a lidar com nossa crise energética de longo prazo". Ele afirmou ainda que com o tempo será necessária uma mudança para o uso de etanol de celulose, que não utiliza como matéria-prima produtos que poderiam ser destinados à alimentação. As informações são da Dow Jones.

DEISE VIEIRA, Agencia Estado

05 Maio 2008 | 08h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.