1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

OCDE diz que Brasil não segue suas sugestões

- Atualizado: 26 Fevereiro 2016 | 05h 00

Das diretrizes sugeridas pela organização para País retomar o crescimento, apenas uma foi adotada

XANGAI - O Brasil enfrenta um período de recessão e os gargalos da economia estão cada vez mais expostos. Mesmo assim, o Brasil não tem seguido as sugestões da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) para a retomada da atividade.

Das cinco grandes diretrizes sugeridas pela entidade para incentivar o crescimento econômico no Brasil, um relatório anual divulgado pelo órgão cita positivamente apenas uma iniciativa em curso no País: as concessões em infraestrutura.

“Após vários anos de crescimento modesto, o Brasil está enfrentando uma recessão que expõe uma série de gargalos estruturais que precisam ser abordados para restaurar o crescimento forte e sustentável”, diz a entidade no trecho dedicado ao Brasil do documento A Caminho do Crescimento 2016 que será entregue às equipes econômicas das 20 maiores potências do mundo (G-20). O grupo inicia amanhã, em Xangai, na China, encontro de ministros da Fazenda e presidentes de bancos centrais.

Ministros da Fazenda e presidentes dos BCs do G-20 se reúnem no sábado
Ministros da Fazenda e presidentes dos BCs do G-20 se reúnem no sábado
Segundo a OCDE, os problemas mais importantes do Brasil “incluem severa escassez em infraestrutura pública, baixo aproveitamento escolar, sistema tributário complexo e fragmentado, baixa integração no comércio internacional e um sistema financeiro subdesenvolvido”.

Diante desse diagnóstico antigo, a OCDE já sugeriu em anos anteriores algumas medidas. Entre as diretrizes sugeridas, estão aumento do investimento privado e público em infraestrutura, redução das barreiras comerciais, melhora e equalização da educação, redução de distorções do sistema tributário e aumento da eficiência do mercado financeiro com menor peso das instituições financeiras públicas.

Entre essas cinco iniciativas, a OCDE destaca apenas uma ação de política em curso no Brasil. “O Brasil lançou a segunda fase do Plano de Investimento em Logística com previsão de R$ 70 bilhões em concessões até 2018”, cita o texto. O relatório reconhece que alguns países como Espanha, Itália e Japão têm avançado com as reformas estruturais necessárias para o crescimento sustentável. Entre os emergentes, a entidade cita apenas China, Índia e México como bons exemplos. O Brasil não é mencionado nessa lista dos países que têm seguido o receituário da entidade.

União. No mesmo documento, a entidade sugere que 20 maiores economias do mundo precisam se unir para adotar medidas amplas no campo monetário, fiscal e estrutural com o objetivo de estimular a fraca demanda. Segundo a pesquisa anual da OCDE, o ritmo de execução das reformas estruturais apresentou a primeira desaceleração entre 2013 e 2014.

“O processo continuou durante 2015, notadamente em economias desenvolvidas, mas também nos emergentes”, cita o documento. “A preocupante desaceleração da economia global chama uma resposta urgente e compreensiva em todas os níveis da política monetária, fiscal e estrutural dos governos. Dada a amplitude e a evolução dos desafios de crescimento e inclusão nas economias avançadas e emergentes, a desaceleração do ritmo das reformas é um problema grave”, defendeu em comunicado o secretário-geral da OCDE, Angel Gurría.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX