Tonia Rego/Agencia Brasil
Tonia Rego/Agencia Brasil

Odebrecht fecha a venda da Riogaleão para chinesa

A multinacional chinesa, sócia da Azul Linhas Aéreas, vai pagar R$ 60 milhões pela fatia de 31% do grupo baiano

O Estado de S.Paulo

13 Julho 2017 | 23h17

A Odebrecht Transport anunciou nesta quinta-feira, 13, que fechou a venda de sua participação na Riogaleão, concessionária que administra o aeroporto internacional do Rio de Janeiro, para a chinesa HNA Infrastructure. A multinacional, sócia da Azul Linhas Aéreas, vai pagar R$ 60 milhões pela fatia de 31% do grupo baiano. A HNA vai assumir dívida, outorga da concessão e um compromisso de aporte de US$ 620 milhões.

Além da Infraero, que detém 49% do aeroporto, a empresa de Cingapura Changi mantém 20% de participação no grupo. Desde o ano passado, a concessionária vinha buscando uma alternativa para resolver seus problemas financeiros. Com a queda na demanda, decorrente da recessão que assola o Brasil, as receitas do grupo ficaram aquém do esperado, dificultando o depósito das outorgas no prazo.

No leilão de concessão, em 2013, a concessionária aceitou pagar R$ 19 bilhões em 25 parcelas anuais durante a vigência do contrato. Com o envolvimento da Odebrecht na Operação Lava Jato, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) não liberou o empréstimo de longo prazo para dar continuidade aos investimentos no aeroporto.

A venda da participação na Riogaleão pela Odebrecht TransPort integra o plano estratégico de reestruturação do grupo baiano. A saída da empresa do aeroporto do Rio estava sendo negociada desde o ano passado e envolvia o compromisso de injeção de recursos de cerca de R$ 4 bilhões na concessionária para permitir o pagamento de parcelas atrasadas e futuras da outorga do aeroporto ao governo federal.

Em abril, depois de atrasar o pagamento da outorga, a concessionária conseguiu aprovar um pedido de reestruturação do fluxo de pagamento dos próximos anos. A reestruturação inclui a antecipação do pagamento dos anos de 2018, 2019 e parte de 2020, que soma algo em torno de R$ 4,5 bilhões da Riogaleão. Depois disso, a companhia terá uma carência para voltar a depositar a outorga.

O Galeão é o segundo mais movimentado aeroporto internacional do Brasil e detém o quarto terminal de cargas mais procurado do País. No ano passado, cerca de 16 milhões de passageiros passaram pelo Galeão. / RENÉE PEREIRA, COM REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.