Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » Operários do Comperj continuam sem salário

Economia & Negócios

Fabio Motta/Estadão

Economia

Comperj

Operários do Comperj continuam sem salário

Prazo venceu dia 30, mas valores não foram depositados; atraso se deve a questões burocrática, diz sindicato

0

ANTONIO PITA / RIO ,
O Estado de S.Paulo

07 Abril 2015 | 02h05

Após quatro meses de espera, os trabalhadores demitidos do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) tiveram nova decepção ao tentar sacar o saldo de salários atrasados na última semana. O prazo acordado entre a empresa Alumini e o Ministério Público do Trabalho (MPT) venceu no último dia 30, mas os recursos não foram depositados na conta dos trabalhadores. O sindicato que representa os operários afirma que "questões burocráticas" na Caixa causaram o atraso.

Desde a última terça-feira os 2.500 operários tentam sacar o saldo dos salários atrasados, mas encontraram nas agências bancárias avisos indicando que não há liberação dos recursos até o momento. O prazo para o pagamento foi definido após uma decisão judicial obtida em março, depois que um grupo de trabalhadores ocupou a sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), no Rio.

"Estava programado para o dia 30, depois para hoje, e agora para amanhã. A gente não tem informação, é um jogo de empurra", afirmou Áureo Pereira, responsável pela movimentação de cargas na obra. "Essa era a primeira parcela e já tem problemas. Como podemos confiar que receberemos as outras cinco parcelas? Se não entrar amanhã (hoje), ficaremos no escuro outra vez. Já tem colegas articulando novas manifestações", completou.

A previsão do Sindicato dos Trabalhadores Empregados nas Empresas de Montagem e Manutenção Industrial de Itaboraí (Sintramon) é que haja pagamento ainda hoje. Em comunicado divulgado ontem, a Vara do Trabalho de Niterói informou que a Caixa "fará uma força-tarefa providenciando todos os trâmites necessários para o saque". Procurada, a Caixa não se posicionou.

Valores questionados. O acordo firmado em março previa a rescisão imediata, a liberação do FGTS e o pagamento de salários atrasados em seis parcelas. Somente o FGTS foi liberado, mas com valores questionados pelos operários. "Os valores foram abaixo do que a empresa deve. Ela está sem contribuir desde setembro, e nossa rescisão foi no dia 27 de fevereiro. Estamos sem ter a quem recorrer, sem ter qualquer posição", afirmou Áureo.

Atualmente, há três ações sobre o caso em curso na Justiça do Trabalho do Rio. As dificuldades da empresa começaram em novembro, quando mais de 4 mil trabalhadores foram demitidos das obras da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Em dezembro, a Alumini paralisou obras no Comperj alegando falta de pagamento da Petrobrás. A empresa alega ter créditos de R$ 1,2 bilhão da estatal, que por sua vez nega as dívidas.

Tensão social. A crise na empresa, que está em recuperação judicial desde janeiro, causou demissões em massa e uma situação de tensão social em Itaboraí, região metropolitana do Rio, onde fica o Comperj e os trabalhadores estavam alojados. Muitos operários de outros Estados ficaram desabrigados e passaram a pedir esmolas nas ruas. A situação levou os operários a realizar diversos protestos e a paralisar o trânsito da Ponte Rio Niterói, em fevereiro.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.