1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Oposição faz duras críticas aos anúncios

- Atualizado: 28 Janeiro 2016 | 22h 02

Para o senador Aécio Neves, governo não tem noção da crise econômica e age de maneira midiática

BRASÍLIA - O presidente nacional do PSDB e principal líder da oposição, senador Aécio Neves (MG), cobrou do governo Dilma Rousseff a apresentação de reformas estruturais. Para o tucano, o governo não tem noção da gravidade da crise econômica, age de maneira midiática ao reunir o “Conselhão” e já perdeu as condições para tirar o País do “atoleiro”.

“É inútil reunir 92 pessoas quando nós sabemos que hoje o maior empecilho para se estabelecer o consenso mínimo para reformas estruturais é a posição do PT que tem se mostrado contrário ao ajuste fiscal e demanda a volta da desastrosa política econômica denominada ‘Nova Matriz Econômica’”, atacou Aécio, em nota.

Senador Aécio Neves (PSDB-MG)

Senador Aécio Neves (PSDB-MG)

O tucano cobrou do governo propostas de reforma tributária e previdenciária, além de iniciativas para retomada dos investimentos no setor do petróleo. Na avaliação de Aécio, o governo tenta apresentar uma “suposta pauta positiva”, mas acaba levantando dúvidas sobre o real compromisso com o encaminhamento de propostas de superação da crise. “Mais uma vez, o governo sinaliza com o aumento de crédito subsidiado em mais de R$ 80 bilhões; a mesma política que foi adotada desde 2009 e que não levou ao aumento do investimento. 

A presidente parece esquecer que, sem confiança e credibilidade mesmo que houvesse queda dos juros, os empresários não irão investir sem que o governo aprove medidas estruturais de controle do gasto.” No final da nota, Aécio conclui que o governo “está perdido em meio a crises de naturezas diversas”. 

“Blá-blá-blá e medidas sem impacto efetivo, para retomada do crescimento, confirmam que o governo petista não tem rumo”, comentou o líder da oposição no Congresso Nacional, deputado Pauderney Avelino (AM). 

Ele criticou o fato de uma das medidas ter sido o uso do FGTS como garantia para o crédito consignado. “Mais uma vez, o PT recorre ao dinheiro dos trabalhadores, que não é seu, para tentar salvar um governo falido e desacreditado.”

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX