1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Orçamento de 2016 já nasce defasado

- Atualizado: 15 Janeiro 2016 | 13h 48

Conta de receitas e gastos totais do governo para o ano considera projeções de PIB e inflação melhores que as do mercado

Dilma aprovou o Orçamento de 2016 sem vetos

Dilma aprovou o Orçamento de 2016 sem vetos

O Orçamento deste ano, publicado no Diário Oficial da União nesta sexta-feira, nasceu defasado, mesmo com cortes de gastos em órgãos públicos e programas sociais. Aprovado pela presidente Dilma Rousseff sem vetos, ele foi composto com a expectativa de queda de 1,9% do PIB em 2016 e inflação de 6,47%, enquanto o mercado financeiro, na última pesquisa Focus do Banco Central, prevê recuo de 2,99% no crescimento e inflação de 6,47% ao fim do ano que vem. 

A receita de 2016 foi fixada em R$ 2,953 trilhões, estimada nos orçamentos Fiscal e Seguridade Social. Desse total, R$ 885 bilhões serão destinados para o refinanciamento da dívida pública federal. A lei ainda estima em R$ 97 bilhões o valor da despesa do Orçamento de Investimento, recurso direcionado a ministérios para aplicação em projetos e obras, sobretudo de infraestrutura. 

Na conta do governo, também foi considerada a eventual recriação da CPMF, que ainda precisa ser discutida e aprovada no Congresso. A estimativa é que haja uma arrecadação de aproximadamente R$ 10 bilhões com o tributo. Os cortes e a entrada da CPMF na conta foram as medidas encontradas, depois de longa discussão, por parlamentares e governo para adequar o Orçamento à meta fiscal de 2016 de R$ 30,5 bilhões (ou 0,5% do PIB). 

O texto também preserva a destinação de recursos prevista pelos parlamentares. O Fundo Partidário, por exemplo, receberá um aporte este ano de R$ 819 milhões. O valor é inferior ao do ano passado (R$ 867 milhões), mas 163% maior que o proposto originalmente pelo governo. O Executivo havia determinado um montante de R$ 311 milhões para o Fundo na peça orçamentária, no entanto, durante a tramitação, o valor foi ampliado.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX