1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Pacote usa recursos de linhas sem demanda

- Atualizado: 30 Janeiro 2016 | 16h 37

Cerca de 60% dosrecursos anunciados pelo governo para estimularo crédito têm como origem o FGTS

Apesar de usar os bancos públicos como canal para a injeção dos R$ 83 bilhões previstos com as medidas para destravar o crédito, o pacote anunciado na semana passada pelo governo não coloca mais pressão sobre o caixa das instituições oficiais. A maioria dos recursos está emperrada em linhas que não tinham demanda ou pertence à iniciativa privada.

De cada R$ 100 anunciados pelo governo, cerca de R$ 60 têm como fonte o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), formado com o dinheiro dos trabalhadores. Para os críticos, o anúncio desse volume robusto, em meio à reunião do Conselhão, como medida para “salvar” a economia, não passa de querer fazer bondade com o chapéu alheio.

Habitação é uma das áreas para as quais o governo quer ampliar o crédito
Habitação é uma das áreas para as quais o governo quer ampliar o crédito

Entre as medidas que contam com o dinheiro do FGTS está a possibilidade de usar 40% da multa por demissão sem justa causa mais 10% do saldo pelo trabalhador do setor privado como garantia para o crédito consignado. A alteração precisa de aprovação do Congresso e regulação do conselho curador, formado por representantes do governo, dos trabalhadores e dos patrões.

Representantes dos trabalhadores e dos patrões no órgão têm forte resistência à mudança por considerar que “desvirtua” a destinação originária do fundo de aplicações em infraestrutura, habitação e saneamento. O governo calculou que a possibilidade de atrelar o FGTS ao consignado aumentaria em R$ 17 bilhões os recursos disponíveis para a linha.

Nada garante, no entanto, que mesmo que a medida seja aprovada no Congresso, os trabalhadores aceitem lastrear a multa e o FGTS a empréstimos consignados no momento em que aumenta o temor das demissões.

Foram colocados no anúncio do pacote os R$ 22 bilhões que estão parados no FI-FGTS, fundo de investimento que usa parte do FGTS para aplicar em infraestrutura. Para aumentar os desembolsos do fundo – que está emperrado há dois anos –, o governo trabalha em um novo modelo que permitirá às empresas pleitear os recursos, mesmo antes de vencerem as concessões. Essa medida reduziria o tempo de análise dos projetos e a liberação mais rápida dos recursos para a empresa que sair vencedora dos leilões. O prazo pode cair dos cerca de três anos que leva a análise de um pedido atualmente para um ano.

Ainda com dinheiro do FGTS, o governo vai aumentar o fôlego para o crédito habitacional ao oferecer a possibilidade de o FGTS comprar dos bancos Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI). Os bancos teriam, com essa medida, mais R$ 10 bilhões para aplicar em crédito habitacional. Foi uma medida paliativa para enfrentar a fuga de recursos da poupança, sempre a principal fonte dos financiamentos para a compra da casa própria.

No BNDES, as medidas foram no sentido de “flexibilizar” a política de contenção de crédito que ocorreu de forma muito violenta em 2015, segundo uma fonte – os desembolsos caíram 28% no ano passado. Segundo uma fonte do banco, a queda possibilitaria um crescimento em torno de 20% neste ano sem a necessidade de um novo aporte do Tesouro. “É mais para tentar dar alívio, mas está longe de ser uma virada”, afirmou.

O BNDES espera realizar neste ano um orçamento “um pouco maior” que em 2015. “O banco já vinha adaptando suas políticas operacionais à realidade de restrição de repasses do Tesouro”, afirmou, em nota. A instituição passou a cobrar somente a TJLP (juros mais baixos) para setores considerados “prioritários”.

Pelo pacote, o banco ressuscitará a linha de capital de giro para pequenas empresas (R$ 5 bilhões) e permitirá a renegociação para quem financiou máquinas e equipamentos (R$ 15 bilhões). Também remodelou, com condições mais favoráveis, empréstimos para empresas exportadoras (R$ 4 bilhões).

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX