1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Países chegam a acordo para congelar produção de petróleo

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 12h 11

Fontes afirmam que Arábia Saudita, Rússia, Qatar e Venezuela devem tomar medida só se outros países fizerem o mesmo; incertezas sobre efeitos do acordo fazem preço do óleo oscilar

Ministros de petróleo da Arábia Saudita, Rússia, Qatar e Venezuela chegaram a um acordo nesta terça-feira, 16, para manter a produção da commodity nos níveis de janeiro, desde que outros grandes produtores façam o mesmo, segundo fontes com conhecimento do assunto. 

O acordo foi fechado durante uma reunião realizada em Doha para discutir formas de estabilizar os preços, que recentemente atingiram os menores níveis em mais de uma década à medida que a oferta se manteve acima da demanda. A decisão será comunicada em breve a outros integrantes da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), disseram as fontes.

Analistas se mostram céticos sobre congelamento da produção de petróleo

Analistas se mostram céticos sobre congelamento da produção de petróleo

Não há um acordo ainda para uma eventual reunião de emergência entre a Opep e produtores de fora do grupo, mas o ministro de petróleo iraniano, Bijan Zanganeh, já afirmou que o país não vai desistir de sua fatia no mercado da commodity. "O que importa, a princípio, é que o mercado de petróleo está enfrentando excesso de oferta e, em segundo lugar, que o Irã não abandone sua fatia", declarou Zanganeh à agência de notícias estatal iraniana Shana. 

Cotações. Os contratos de petróleo operaram em alta no início das negociações, com a expectativa de alta nos preços no segundo semestre. Para Gordon Kwan, diretor regional de petróleo e gás da Nomura, o acordo poderá elevar o preço para US$ 60 o barril. 

Os preços, porém, reduziram o ritmo de alta e chegaram a cair com incertezas sobre o efeito do acordo, uma vez que o congelamento da produção se dá em um contexto de excesso de oferta da commodity cujos preços caíram cerca de 70% desde seu pico, em junho de 2014.

Nas primeiras horas de negociação, o petróleo Brent para abril chegou a subir na casa dos 6%, na ICE, em Londres. O petróleo para março avançou 2,41%, a US$ 30,15 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex). 

Vídeo: Entenda por que o preço do petróleo está caindo

O consenso fechado na reunião em Doha prevê que a Rússia congele sua produção no nível recorde após a dissolução da União Soviética, de 10,98 milhões de barris ao dia. A Arábia Saudita, por sua vez, poderá produzir 9,95 milhões de barris ao dia. Nesses patamares, haverá pouco respiro para os demais produtores.

Além disso, a produção no Irã e no Iraque registra altas constantes e nenhum país parece disposto a reduzir a produção e dar chance a essas duas nações de conquistar mais fatia de mercado, segundo o analista Virendra Chauhan, da Energy Aspects. Do lado da demanda, o consumo chinês está fraco, após dados divulgados na segunda-feira mostrarem que as importações da segunda economia mundial desaceleraram significativamente em janeiro. (Com informações da Agência Estado e da Dow Jones Newswires).

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX