Nilton Fukuda/Estadão - 28/5/2015
Nilton Fukuda/Estadão - 28/5/2015

Para 70% dos industriais, lei trabalhista deve criar mais vagas

Pesquisa da CNI mostra, no entanto, que apenas 26% dos entrevistados dizem ‘conhecer bem’ a nova legislação

Fernando Nakagawa, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2017 | 05h00

RIO - Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) indica que 70% dos industriais acreditam que a reforma trabalhista poderá ter como consequência a criação de novos postos de trabalho. Mas apenas uma parcela minoritária de 19% diz ter certeza dessa consequência. O restante diz que o benefício é “provável”. Apesar da campanha do empresariado pela reforma, só 26% dos entrevistados disseram “conhecer bem” a nova legislação e a maioria de 56% diz que só “conhece mais ou menos”.

Levantamento inédito da CNI mapeou o impacto da reforma trabalhista na vida das indústrias brasileiras. O estudo feito entre os dias 2 e 17 de outubro com 3.056 empresas de todos os portes confirmou que a reforma foi recebida com entusiasmo no mundo industrial.

Para a maioria dos entrevistados, o emprego será a principal consequência positiva. Dos entrevistados, 19% dizem ter “certeza” que o mercado de trabalho será ampliado, enquanto 51% responderam ser “provável”. Entre os vários segmentos ouvidos pela pesquisa, a indústria da construção demonstra maior otimismo: 30% têm certeza que contratarão mais empregados e 48% que provavelmente serão abertos novos postos.

++Seguro-desemprego cai ao nível de 2008

Outros desdobramentos citados por empresários de todos os ramos industriais são a maior segurança jurídica – 28% dizem ter certeza e 45% afirmam ser provável – e o aumento do investimento no futuro – 15% responderam com certeza e 47%, provavelmente.

Quando solicitados a apontar para benefícios objetivos da Lei, 62% citaram a maior força das negociações coletivas e 50% mencionaram a permissão para terceirizar qualquer atividade. Um dos temas mais polêmicos da reforma, o contrato de jornada intermitente, foi lembrado por apenas 15%.

++Com regra de trabalho intermitente, empregado corre risco de ter de pagar para trabalhar

Apesar da expectativa positiva, poucos industriais dizem ter conhecimento pleno da nova legislação. Entre os consultados, 56% disseram “conhecer mais ou menos” e 11% disseram “conhecer de ouvir falar”. A parcela que responde “conhecer bem” a reforma é relevante, mas minoritária: 26%.

::: Mande um WhatsApp para o E&N. O número é: 11 99439-3766 :::

Mais conteúdo sobre:
reforma trabalhista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.