1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Para analistas, medida deve ter pouco efeito na economia

- Atualizado: 28 Janeiro 2016 | 21h 57

Economistas dizem que fraca demanda por crédito pode inibir tentativa do governo em estimular a economia

Os economistas avaliam que as medidas de estímulo ao crédito anunciadas pela equipe econômica não devem ter impacto na retomada da economia.

Para os analistas, a proposta do governo apenas aumenta a oferta de crédito e não é suficiente para estimular a demanda. Ou seja, mesmo com mais recursos disponíveis, o cenário adverso da economia faz com que as pessoas tenham pouca disposição na tomada de empréstimos.

“Esse pacote é de oferta de crédito. É preciso discutir também o lado da demanda”, afirma Livio Ribeiro, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV). “Num cenário com famílias endividadas, queda dos lucros das empresas não é óbvio que exista demanda por crédito”, diz Ribeiro.

'Não se acredita mais que haja uma solução viável', diz Vale sobre o governo Dilma 

'Não se acredita mais que haja uma solução viável', diz Vale sobre o governo Dilma 

Os números do ano passado já apontaram uma desaceleração do crédito. De acordo com o Banco Central, o volume de empréstimos aumentou 6,6% em 2015, em termos nominais, na comparação com o ano. O crescimento foi baixo quando se leva em conta o resultados passados. Em 2014, por exemplo, a expansão foi de 11,3%. Em 2010, quando a economia brasileira cresceu 7,6%, o avanço foi de 20,6%.

“Tentar liberar crédito em uma economia com crise generalizada de confiança de nada adiantará”, afirma Sergio Vale, economista-chefe da consultoria MB Associados. “São medidas que reeditam a nova matriz econômica. São do mesmo tipo que foram feitas no primeiro mandato (da presidente Dilma Rousseff) e que já não funcionaram”, afirma Vale.

Embora a expansão do crédito tenha desacelerado e o mercado trate o plano com ceticismo, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, já disse que é preciso “levar o cavalo à água para ver se ele quer bebê-la” em referência a possível fraca demanda pelo crédito.

Mudança. Por ora, na avaliação dos analistas, a retomada da economia brasileira só ocorreria com o anúncio de mudanças mais profundas.

“Da mesma forma que o estado atual é consequência de uma série longa de políticas que foram implementadas ano após ano, o desmonte da situação vai ser resultado da reversão de várias políticas”, afirma Ribeiro, do Ibre. “Isso fatalmente vai ser um processo longo porque o governo que poderia reverter essas políticas foi o que implementou todas essas medidas.”

Nos cálculos da equipe do Ibre, a economia brasileira deverá ter em 2016 uma nova recessão. Na avaliação do instituto, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deverá recuar 3%. No ano passado, a queda estimada foi de 3,7%. “São dois anos seguidos de uma economia em retração em todas as óticas”, diz o pesquisador do Ibre.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX