1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Para base do governo, alta de juros reforçaria crise

- Atualizado: 20 Janeiro 2016 | 22h 23

Aumento da taxa passaria um ‘sinal péssimo’ e representaria ‘uma barbeiragem’, diz Lindbergh Farias (PT-RJ)

BRASÍLIA - O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) comemorou a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de manter a Selic em 14,25% sem viés. Para o petista, uma eventual elevação da taxa básica de juros passaria um “sinal péssimo” e iria contribuir para aumentar a recessão por que atravessa o País.

“Ia ser uma barbeiragem no meio de recessão de dois anos aumentar a taxa de juros. Foi uma decisão sensata”, disse o senador, ao citar que, mesmo os economistas liberais, estava divididos sobre a conveniência de se aumentar a Selic para tentar reduzir a inflação no País, que encerrou 2015 em 10,67%, conforme o IPCA.

O senador disse não considerar menor o fato de o Fundo Monetário Internacional (FMI) ter revisado anteontem a queda do PIB do Brasil de 1% para 3,5% este ano.

O senador petista Lindbergh Farias

O senador petista Lindbergh Farias

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, divulgou nota logo após a manifestação do FMI dizendo que considerava “significativa” a revisão feita pelo fundo. O mercado, que inicialmente apostava numa alta da Selic de 0,5 ponto porcentual, passou a reavaliar sua projeção para aumento de apenas 0,25 ponto porcentual ou manutenção da taxa – o que ocorreu ontem.

“De qualquer maneira ia ter chiadeira neste momento, não dá para subestimar o comunicado do FMI”, disse Lindbergh. “Mais importante se o mercado vai achar que houve interferência na decisão, é o mundo real, a produção”, frisou.

O líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR), por outro lado, criticou a decisão do Copom de manter a taxa básica de juros em 14,25% ao ano. Para o parlamentar, a decisão representa a manutenção da mesma política de juros que “asfixia a economia nacional.”

“O ideal seria que tivesse diminuído”, afirmou o parlamentar. Ele ressaltou que o atual nível da Selic tem sido um dos principais inibidores do crescimento da economia brasileira, pois dificulta investimentos, aumentando o desemprego. “Foi mais uma sinalização ruim de um governo perdido”, disparou.

Carta. O senador Romero Jucá (PMDB-RR) afirmou que o Banco Central exorbitou de suas atribuições ao responder, por meio de nota, a relatório divulgado pelo FMI. Para Jucá, a nota assinada pelo presidente do BC é “desnecessária”, mas ressalvou não ser o caso de ele ir ao Senado se explicar. “ Quem, em tese, tem que responder ao FMI é o Ministério da Fazenda ou o governo”, disse Jucá. “Ele quis ajudar, mas se expôs sem necessidade”, acrescentou.

Para o peemedebista, mais importante do que o resultado do Copom é o governo buscar saídas para as crises conjuntural e estrutural por que o País passa. Ele defendeu que o Executivo precisa, primeiro, fazer um ajuste fiscal de forma a criar condições para redução dos juros. “O cidadão não aguenta mais essa taxa de juros”, afirmou o senador.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX