Nati Harnik/AP
Nati Harnik/AP

Para Buffett, EUA e China evitarão 'algo extremamente tolo' no comércio

Bilionário norte-americano afirma que os dois lados saem ganhando em um cenário de negociações

O Estado de S. Paulo

05 Maio 2018 | 17h49

O bilionário Warren Buffett disse neste sábado que é improvável que os Estados Unidos e a China permaneçam em desacordo sobre o comércio, dizendo que os dois países evitarão fazer “algo extremamente tolo”.

“Os Estados Unidos e a China serão as duas superpotências do mundo, economicamente e de outras formas, por um longo, longo tempo”, disse Buffett durante a reunião anual de acionistas da Berkshire Hathaway, em Omaha, no Estado norte-americano de Nebraska.

“Temos muitos interesses em comum e, como quaisquer duas grandes entidades econômicas, há momentos em que elas possuem tensões, mas é uma situação ganha-ganha quando o mundo negocia”, disse Buffett. “Teremos desentendimentos um com o outro (tanto democratas quanto republicanos), e teremos desentendimentos com outros países sobre comércio”, também afirmou o investidor sobre uma guerra comercial.

+ TV Estadão: Alívio para o setor siderúrgico?

“É grande demais e óbvio demais... que os benefícios são enormes e que o mundo depende disso em grande parte para o seu progresso para que dois países inteligentes façam algo extremamente tolo”, completou. “Nós dois podemos fazer coisas que são levemente tolas de vez em quando. Há um pouco de dar e receber”.

O governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, estabeleceu uma postura firme nas negociações comerciais com a China, exigindo um corte de 200 bilhões de dólares no superávit comercial chinês com os Estados Unidos, tarifas mais baixas e subsídios tecnológicos avançados, disseram pessoas familiarizadas com as negociações na sexta-feira.

+ Exportação de manufaturados do Brasil pode ser afetada

Buffett, de 87 anos, e seu amigo de longa data e também bilionário Charlie Munger, de 94 anos, lideram a reunião anual da Berkshire em Omaha, onde respondem a perguntas de acionistas, jornalistas e analistas.

Pouco antes da reunião, a Berkshire encerrou mais de um ano de queda no lucro operacional, mas foi prejudicada por uma nova regra contábil que fez com que registrasse um prejuízo líquido. Buffett disse que os resultados não são representativos do negócio./REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.