1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Para estimular economia, China reduz imposto sobre compra de imóveis

- Atualizado: 19 Fevereiro 2016 | 11h 11

A partir de segunda-feira, os compradores do primeiro imóvel pagarão imposto equivalente a 1% do valor de propriedades com menos de 90 metros quadrados e de 1,5% no caso de moradias maiores

China sofre com o excesso de imóveis no mercado
China sofre com o excesso de imóveis no mercado
PEQUIM - A China decidiu reduzir o imposto cobrado de alguns compradores de imóveis, como parte de uma estratégia para revitalizar o setor imobiliário. A partir de segunda-feira, os compradores do primeiro imóvel pagarão imposto equivalente a 1% do valor de propriedades com menos de 90 metros quadrados e de 1,5% no caso de moradias maiores, anunciou o Ministério de Finanças do país, em comunicado conjunto com o órgão fiscal chinês e o Ministério da Habitação.

Para compradores do segundo imóvel, o imposto será de 1% para propriedades menores e de 2% para moradias maiores. Esse tipo de imposto é diferente nas várias províncias chinesas e pode oscilar entre 1% e 5% do valor do imóvel.

As novas regras não se aplicam a cidades chinesas que impõem limites a compras de moradias, como a capital, Pequim, além de Xangai, Guangzhou e Shenzhen.

A China tem enfrentado uma desaceleração da economia, inclusive nas pequenas e médias cidades, que floresceram graças ao crédito fácil e apoio do governo aos setores de construção e agronegócio. Sobra produção de aço e imóveis. 

Segundo reportagem do Wall Street Journal, a China agora conta com as cidades menores para impulsionar o crescimento nos próximos anos. Além de trazer cerca de 100 milhões de habitantes desses locais para áreas urbanas nos próximos cinco anos, na tentativa de aumentar o número de consumidores, o país tenta incentivar as economias regionais. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX