Nacho Doce/Reuters
Nacho Doce/Reuters

Para governo, venda da Embraer é complicada pelo impacto sobre o desenvolvimento

Companhia possui participação nas áreas de tecnologia e produção de equipamentos militares; governo brasileiro possui poder de veto na negociação

Igor Gadelha e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

21 Dezembro 2017 | 16h48

BRASÍLIA - A Embraer confirmou nesta quinta-feira, 21, que está em tratativas com a Boeing em relação a uma potencial combinação de seus negócios, em bases que ainda estão sendo discutidas. Com o anúncio, o governo brasileiro já admite que a venda da empresa será um negócio complicado de ser analisado, pelo impacto que a companhia tem sobre o desenvolvimento de tecnologia nacional. 

O Estadão/Broadcast apurou com uma fonte da equipe econômica que o negócio é complicado porque a companhia tem muita participação no Brasil em desenvolvimento de tecnologia e na produção de equipamentos militares. Para ele, o governo vai ter que olhar a proposta "com cuidado".

No entanto, essa fonte afirmou que perder o controle nacional da Embraer não seria um problema para o governo brasileiro. Como a União tem uma ação especial na empresa, que permite o veto de operações importantes - a chamda golden share -, a venda precisa do aval do governo. 

++ Embraer ganha espaço em vendas militares no mundo

A fonte informou que o governo ainda não foi informado oficialmente pelas duas empresas, mas acredita que a venda deve se concretizar porque o mercado já está dando como certo. Ele lembrou que "formadores de preços" não costumam errar sobre essas tratativas. 

Reportagem publicada pelo jornal americano The Wall Street Journal informa que a Boeing realizou reuniões com a Embraer para discutir a aquisição da empresa brasileira, uma medida que fortaleceria o braço da fabricante americana no mercado de aviação regional. 

++ Embraer fecha contrato com American Airlines para 10 jatos E175

Segundo a reportagem, a Boeing e a Embraer estariam discutindo um acordo que envolveria um prêmio relativamente alto para a Embraer, que tem um valor de mercado de aproximadamente US$ 3,7 bilhões. As conversas estão em compasso de espera, à espera de um resposta do governo brasileiro sobre o tema.

Em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Embraer diz que não há garantia de que qualquer transação resultará dessas discussões e lembra que qualquer transação estará sujeita à aprovação do governo brasileiro e dos órgãos reguladores, dos conselhos de administração das duas companhias e dos acionistas da Embraer.

"Boeing e Embraer não pretendem fazer comentários adicionais sobre essas discussões", diz a empresa no comunicado. 

Mais conteúdo sobre:
Embraer Boeing

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.