REUTERS/Pilar Olivares
REUTERS/Pilar Olivares

Para Moody’s, Eletrobrás pode ter de rever investimentos

De acordo com agência, geração de caixa da empresa é incompatível com seu plano de investimentos

Anne Warth, O Estado de S. Paulo

29 Setembro 2015 | 22h24

BRASÍLIA - A geração de caixa da Eletrobras é incompatível com o plano de investimentos da companhia para os próximos anos, de acordo com relatório divulgado nesta terça-feira pela agência de classificação de risco Moody’s. “Ou a empresa revisa seu programa de investimentos, ou melhora sua geração de caixa, pois o plano é incompatível. Os bancos públicos deram suporte à companhia com financiamentos, mas agora isso não é mais sustentável. Ela tem de buscar o mercado de capitais e aumentar a geração de caixa”, disse o vice-presidente e analista sênior da Moody’s, José Soares.

Segundo a agência, a geração de caixa não deve superar R$ 1,4 bilhão neste ano, o que se torna um desafio diante do plano de investimentos da companhia, de R$ 10 bilhões por ano entre 2015 e 2019, e das despesas com financiamentos. A dívida total da empresa deve atingir R$ 56,8 bilhões em 2016, de acordo com a Moody’s. A despeito disso, a liquidez da empresa é considerada relativamente adequada para os próximos seis a nove meses.

No relatório, a Moody’s destaca que a geração de caixa da Eletrobrás deve continuar baixa nos próximos dois anos por conta das reduzidas margens da companhia. As receitas da Eletrobrás caíram desde que a empresa aderiu à Medida Provisória 579/2012, que tinha por objetivo baixar as contas de luz, e renovou suas concessões de forma antecipada. “A MP 579/2012 foi um desastre para a Eletrobrás em termos operacionais”, disse Soares.

Segundo a Moody’s, para manter o programa de investimentos de R$ 10 bilhões por ano, a Eletrobrás terá de buscar R$ 3 bilhões a R$ 4 bilhões em financiamentos bancários e no mercado de capitais. Caso não consiga obter os recursos, a empresa terá de reduzir a projeção de investimentos para algo entre R$ 5 bilhões a R$ 6 bilhões por ano.

De acordo com Soares, o que pode efetivamente ajudar a Eletrobrás é o reconhecimento de créditos do governo em razão das indenizações referentes à MP 579. A Eletrobrás avalia que teria R$ 30 bilhões a receber, mas a Moody’s considera que a empresa deve conseguir R$ 15 bilhões. No entanto, esses créditos seriam recebidos em 27 anos, via tarifa de energia, o que significaria R$ 600 milhões por ano.

Lava Jato. A Moody’s menciona que a Operação Lava Jato não oferece risco de crédito imediato à Eletrobrás. No entanto, essa avaliação pode mudar dependendo do rumo das investigações, o que poderia dificultar a obtenção de crédito pela companhia.

Sobre Angra 3, a agência afirma que a usina deve custar R$ 15 bilhões e começar a operar até o fim de 2018. No entanto, os financiamentos que a empresa conseguiu com BNDES e Caixa, que totalizam R$ 10 bilhões, devem acabar até o fim de 2016. “Estimamos um injeção adicional de R$ 4,5 bilhões para o projeto em 2017”, afirmou Soares.

A Moody's manteve o rating da Eletrobras em Ba2, dois degraus abaixo do grau de investimento, e sustentou a perspectiva negativa, o que indica um possível rebaixamento no futuro. 

Mais conteúdo sobre:
energia eletrobrás moody's

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.