1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Energia eólica vem ganhando destaque na matriz elétrica brasileira

- Atualizado: 02 Março 2016 | 12h 30

Presidente-executiva da ABEEólica, Elbia Gannoum destaca o aparato regulatório e diz que até 2020 essa será a segunda principal fonte de energia do País

Presidente-executiva da ABEEólica, Elbia Gannoum avalia que setor energético é o que está mais bem regulado no País

Presidente-executiva da ABEEólica, Elbia Gannoum avalia que setor energético é o que está mais bem regulado no País

SÃO PAULO - O setor de energia é, dentre as áreas de infraestrutura, o que está mais bem regulado no País. Mas, apesar de ser um setor bastante atrativo, ainda há muitos desafios, sobretudo no conceito de energia renovável complementar. A avaliação foi feita por Elbia Gannoum, presidente-executiva da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), que falou sobre o tema energia eólica e segurança na oferta de energia, no Fórum Estadão que ocorre na manhã desta quarta-feira, 2, em São Paulo.

Segundo Elbia, a maior fonte de energia utilizada no País é proveniente de hidrelétricas. E citou que em razão da tecnologia e inovação, apesar dos desafios, a energia eólica vem ganhando destaque na matriz elétrica. "O Brasil possui o melhor vento do mundo para a produção de energia eólica e se destaca como grande investidor nesse setor", destacou a presidente executiva da ABEEólica.

Em 2014, o Brasil passou para o top 10 dos países em capacidade instalada e no ano passado a utilização dessa fonte de energia na matriz brasileira foi de 5,5%. Assim, o Brasil foi o quarto país que mais investiu em fontes eólicas e o que mais cresceu em termos porcentuais. E também em 2015, pelo segundo ano consecutivo, o Brasil foi a segunda nação mais atrativa em fontes eólicas, logo atrás da China, segundo estudo do Banco Mundial. Um dos atrativos é justamente o aparato regulatório, informou Elbia Gannoum.

Segundo ela, o Brasil é pioneiro na contratação de leilões neste setor. E em termos de geração do setor, o País já está perto de uma usina de Belo Monte. "Pelas avaliações do mercado, em 2020 já seremos a segunda fonte de energia da matriz elétrica nacional", exemplificou.

O Fórum Estadão que ocorre hoje discute "Inovação para o Crescimento" e tem também como debatedores Felipe Ezquerra, vice-presidente da Arteris; Gesner Oliveira, sócio da GO Associados e professor da Fundação Getúlio Vargas; Jaime Lerner, arquiteto, urbanista e ex-prefeito Curitiba; José Goldemberg, presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp); e Paulo Resende, coordenador do Núcleo de Infraestrutura e Logística da Fundação Dom Cabral. O encontro será encerrado pelo ministro das Cidades, Gilberto Kassab.

Os debatedores discutem questões de infraestrutura ligadas à mobilidade, tecnologia de informação, indústria do futuro e urbanização.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX