Para secretário-executivo da Fazenda, medidas tributárias podem abrir caminho para reforma

Para secretário-executivo da Fazenda, medidas tributárias podem abrir caminho para reforma

No entanto, Eduardo Guardia reforçou que a prioridade no momento é a aprovação da Reforma da Previdência

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

07 Agosto 2017 | 20h48

O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Guardia, disse nesta segunda-feira, 7, que o governo pode tomar iniciativas no campo tributário, por meio de lei ordinária, que facilitem a realização de uma Reforma Tributária adiante. Mas reforçou que a prioridade no momento é a aprovação da Reforma da Previdência.

"Há uma série de temas que podemos trabalhar por lei ordinária e que podem abrir caminho para uma Reforma Tributária posterior", afirmou, durante apresentação no Fórum de Simplificação e Integração Tributária, organizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). "Mas a prioridade é aprovar a Reforma da Previdência para podermos discutir uma Reforma Tributária sem a pressão do gasto público aumentando ano após ano", completou.

Entre as medidas que podem ser feitas antes da reforma tributária, Guardia citou a simplificação da cobrança do PIS/Cofins. "Podemos avançar para que o imposto na cadeia realmente possa ser transformado em crédito e para que tenhamos a tributação apenas sobre o valor agregado. Isso é fundamental para abrirmos caminho para uma reforma tributária mais efetiva adiante", avaliou.

++ Receita anuncia quatro medidas de simplificação tributária em convênio com estados e municípios

O secretário-executivo da Fazenda disse ainda que a convalidação dos benefícios fiscais do Estados, aprovada pelo Congresso e à espera da sanção presidencial, não resolve o problema do ICMS.

"A nova lei apenas resolve a questão da insegurança jurídica sem dar horizonte para sairmos da 'guerra fiscal', pois a mantém por mais 15 anos. A convalidação não resolve o problema de termos 27 legislações diferentes para o ICMS", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.