JF DIORIO/ESTADÃO
JF DIORIO/ESTADÃO

Partidos sugerem 'pacto' com Temer para aprovar reforma da Previdência

Mudanças envolvem repasses menores de fundo eleitoral e restrições para troca de partidos

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

04 Dezembro 2017 | 13h37

BRASÍLIA - Em reunião neste domingo, 3, com o presidente Michel Temer, presidentes de partidos propuseram um "pacto" para aprovar a reforma da Previdência envolvendo a distribuição do fundo eleitoral e a janela para mudança de partido sem risco de perda de mandato. 

A ideia é que dirigentes repassem mais recursos do fundo para parlamentares mais fiéis ao governo e que não aceitem em suas legendas deputados que votaram contra a reforma.

A sugestão foi apresentada pelo presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson. Na reunião, que aconteceu no Palácio do Jaburu, ele disse que vai dividir o fundo eleitoral de forma proporcional conforme o posicionamento dos parlamentares em três votações importantes: a da reforma trabalhista, a das duas denúncias contra Temer na Câmara e a reforma da Previdência. Aqueles que votarem de forma mais governista receberiam mais recursos do fundo eleitoral.

+ Presidente Temer faz apelo por votação da reforma da Previdência

+ INSS pode ser pago com auxílio desemprego

Presidente licenciado do PSD, o ministro Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações) ponderou, no entanto, que essa divisão poderia levar deputados a migrarem para outras legendas durante a janela para livre troca de siglas, prevista para março de 2018.

+ Aumento na expectativa de vida reduz em até 1,08% valor da aposentadoria de brasileiros

Jefferson, então, fez a segunda sugestão: de que os dirigentes se comprometessem a só aceitar nesse troca-troca partidário parlamentares que tenham votado a favor da reforma. A ideia, no entanto, enfrenta resistência de alguns partidos.

Um dos resistentes é o DEM, que planeja aumentar sua bancada na Câmara em pelo menos nove deputados, a maioria vinda do PSB. "Essa foi uma ideia do Roberto. O DEM não garantiu nada", disse o líder do partido, deputado Efraim Filho (PB). "Disse que toparia só se todos se comprometessem e que com aqueles que já fechei a ida ao partido isso não valeria", afirmou o ministro Marcos Pereira (Indústria, Comércio Exterior e Serviços), presidente licenciado do PRB.

Mais conteúdo sobre:
aposentadoria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.