Passageiros da Transbrasil continuam sem voar

A empresa aérea Transbrasil ainda não conseguiu renovar o acordo com a Varig e Rio Sul para o endosso de passagens, e 400 mil passageiros, que desde sexta não conseguem embarcar, continuam em terra. A empresa ainda não recebeu uma posição oficial do governo sobre o pedido de crédito junto a Petrobrás para combustíveis. Segundo nota divulgada hoje, a companhia aérea estudará os casos dos passageiros que ainda não embarcaram e não cobrará as taxas de reembolso, que variam de R$ 100 a R$ 150,00 para tarifas promocionais. De acordo com a empresa, todos os passageiros que quiserem receber seu dinheiro de volta devem procurar as lojas da Transbrasil para darem entrada no pedido de reembolso. A Transbrasil informou que voltará a se pronunciar na terça-feira. Segundo o presidente da Pantanal Linhas Aéreas, Ramiro Tojal, os executivos das companhias continuam em contato para falar sobre o caso Transbrasil e discutir um acordo para endossar os bilhetes. De acordo com ele, mesmo se voltasse a operar, a empresa teria muitas dificuldades, pois voaria com apenas três Boeings próprios, já que dois aviões estão sem turbina. A empresa tem quatro aviões Brasília para uso da Interbrasília e mais de 200 funcionários por avião em operação. "É um número muito alto." Segundo ele, uma saída seria a realização de code share (compartilhamento de vôos) com a Varig e a TAM. "Essas empresas transportariam os passageiros da Transbrasil e dividiram a receita com a empresa em crise", declarou. "Mesmo assim, seria difícil sobreviver". A companhia está com os aviões em terra desde o dia 4 e tem dívidas de R$ 910 milhões.

Agencia Estado,

17 Dezembro 2001 | 19h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.