Pesquisa da FGV aponta pessimismo da indústria para 2006

O setor industrial está pessimista com o último ano do atual mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Este é o resultado da avaliação da Fundação Getúlio Vargas (FGV) que anunciou hoje a pesquisa Sondagem Conjuntural da Indústria da Transformação - Quesitos Especiais. Queda no faturamento, piora na situação dos negócios, menor número de contratações, pessimismo com o volume de exportações e investimentos foram os pontos destacados na pesquisa da FGV. A apuração toma por base os dados da sondagem da indústria, uma pesquisa trimestral já divulgada pela FGV no final de outubro, que ouviu 1,015 mil empresas entre os dias 29 de setembro a 28 de outubro. Veja os principais pontos da pesquisa da FGV: - 72% das empresas pesquisadas acreditam em alta no faturamento em 2006. Porém, em novembro do ano passado, o porcentual de empresas que esperavam aumento de faturamento em 2005 era de 83%. - 9% dos entrevistados esperam uma piora no faturamento em 2006 - sendo que, no ano passado, apenas 3% das empresas analisadas temiam uma redução no faturamento para 2005. - Todos os setores industriais registraram recuo na parcela de empresas entrevistadas que esperavam aumento de faturamento no próximo ano, em comparação com igual pesquisa no ano passado. Na comparação do levantamento de 2004 com o de 2005, diminuiu a parcela de empresas que apostavam em melhora no faturamento, no próximo ano, nos setores de bens de consumo (de 83% para 66%); de bens de capital (de 86% para 54%); de material de construção (de 80% para 69%) e de bens intermediários (de 87% para 76%). - A parcela de empresas entrevistadas que esperam melhora na situação dos negócios em 2006 é de 44% em novembro - porém, esse porcentual era de 67% em igual período no ano passado, nas previsões referentes a 2005. - A parcela das empresas analisadas que esperam piora na situação dos negócios no próximo ano é de 13% - sendo que, em igual período no ano passado, esse porcentual era de 4%, nas expectativas referentes a 2005. - De acordo com a FGV, no que concerne à situação dos negócios, as previsões feitas no levantamento anunciado hoje "são as piores da série iniciada em outubro de 2002". - 30% das empresas pesquisadas esperam melhora no patamar de emprego no ano que vem, mas esse porcentual era de 47% em igual período no ano passado, nas previsões relacionadas a 2005. - 16% das empresas entrevistadas apostam em redução no pessoal ocupado da indústria em 2006 - sendo que, em igual período no ano passado, esse porcentual era de apenas 6%, nas expectativas relacionadas ao ano de 2005. - 53% das empresas pesquisadas esperam aumento nas exportações em 2006, mas esse porcentual era de 63% em igual período no ano passado, nas previsões relacionadas a 2005. - 12% das empresas esperam redução nas exportações no ano que vem - sendo que, em igual período no ano passado, esse porcentual era menor, de 7%, nas previsões relacionadas a 2005. - 38% das empresas pesquisadas esperam aumento nos investimentos no ano que vem - mas esse porcentual era de 52% em igual período no ano passado, nas previsões relacionadas ao ano de 2005. - 22% das empresas entrevistadas projetam redução nos investimentos no ano que vem, sendo que esse porcentual era de apenas 8% em igual período no ano passado, nas expectativas referentes a 2005.

Agencia Estado,

22 Novembro 2005 | 13h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.