1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Petrobrás apressa a venda de ativos

Abalada pelo escândalo do petrolão, com uma dívida bruta em torno de R$ 500 bilhões, que a fez reduzir drasticamente os investimentos anteriormente previstos, a Petrobrás busca há algum tempo vender ativos no País e no exterior, mas enfrenta muitas dificuldades. Além da insegurança gerada pela crise política, econômica e moral do País, a baixa dos preços do petróleo no mercado internacional reduz o apetite de compradores.

O processo tende a ser lento, mas, pressionada por dificuldades financeiras agudas, a empresa tenta apressá-lo. Há pouco, por meio de fato relevante comunicado ao mercado, a estatal anunciou que entrou em negociações exclusivas para vender sua participação de 63% em sua subsidiária na Argentina à Pampa Energia, empresa do país vizinho que atua principalmente no setor de energia elétrica.

Antes, a Petrobrás tentara vender esses ativos primeiro para a YPF e, em seguida, para a própria Pampa, mas as negociações não prosperaram, tendo sido considerada baixa a oferta de US$ 1,2 bilhão feita por esta última. Com o valor elevado para US$ 1,5 bilhão, a expectativa da estatal é de que o negócio possa ser finalizado no prazo de 30 dias, prorrogáveis por mais 30.

A operação, se se concretizar, marcará uma reversão da política de internacionalização da Petrobrás. Como se recorda, a estatal brasileira adquiriu em 2002 o controle da Pérez Companc, um dos maiores conglomerados da Argentina, onde fez outros investimentos. O processo de retirada do mercado do país vizinho começou em 2014, quando a Petrobrás se desfez de 26 concessões terrestres de campos de petróleo e gás, na chamada bacia austral da província de Santa Cruz.

A Petrobrás também comunicou que pretende colocar à venda “conjuntos de campos terrestres” em território nacional, concentrados no Nordeste e no Espírito Santo. A estatal planeja arrecadar com essas operações US$ 14,4 bilhões. Há ainda negociações para que a empresa possa se desfazer de participações em petroquímicas nacionais.

Como analistas têm observado, essas operações não se destinam a diminuir a dívida da empresa. O que a Petrobrás objetiva é reforçar as suas necessidades de caixa para atender a compromissos diversos – entre os quais, possivelmente, dívidas com a Receita Federal – sem ter de recorrer a aumento de capital, para o qual não existe ambiente no mercado, dada a difícil situação que enfrenta.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX