1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Petrobrás contratou, sem licitação, R$ 167 bi

- Atualizado: 17 Fevereiro 2016 | 22h 43

Segundo o TCU, entre 2011 e 2014, 45% dos contratos da estatal foram sem licitação, com a garantia de mandados de segurança

BRASÍLIA - Um relatório divulgado nesta quarta-feira, 17, pelo Tribunal de Contas da União (TCU) aponta que a Petrobrás contratou R$ 167 bilhões em serviços e bens sem a realização de processo licitatório entre os anos de 2011 e 2014. Esse volume de recursos equivale a 45% de tudo o que foi contratado pela estatal nesses quatro anos.

Ao todo, foram analisadas 695 mil contratações realizadas no período, quando R$ 369 bilhões foram gastos pela empresa com seus fornecedores. Os demais 55%, que somam R$ 202 bilhões, se basearam em contratos precedidos de licitação. Quando se analisa esses contratos, porém, nota-se que 99% dos valores estão ligados a contratações feitas na modalidade “convite”, modalidade em que a Petrobrás seleciona determinadas empresas para participar da disputa. Se considerado o número de contratações, este chega a 98% dos casos. Conclui-se, portanto, que do total de R$202 bilhões em contratações precedidas de licitação, R$ 200 bilhões foram contratados mediante convite.

Desde 1998 a Petrobrás deixou de seguir a Lei de Licitações
Desde 1998 a Petrobrás deixou de seguir a Lei de Licitações
O TCU critica há anos a modalidade de contratação da Petrobrás, que desde 1998 não é obrigada a seguir a tradicional Lei de Licitações (8666/93), conforme as demais estatais. Por meio de mandados de segurança impetrados no Supremo Tribunal Federal (STF), a Petrobrás se submete apenas a um decreto (2.745/1998) que permite a contratação de serviços e produtos sem licitação ou por meio de convite, dada a especificidade de suas necessidades. O TCU, porém, pede que a estatal siga a 8666, até que a situação se decida conclusivamente no STF.

Princípios. Em seu voto, o ministro relator Vital do Rêgo determina que a “Petrobrás se abstenha de selecionar a modalidade de licitação de suas contratações sem observar os princípios estabelecidos na legislação atualmente vigente, a saber, as normas gerais de licitação”.

O ministro diz ainda que “as hipóteses de dispensa também devem derivar de uma lei que paute as normas gerais” desse procedimento. “Oportuno lembrar que o decreto utilizado pela estatal sequer prevê a dispensa de licitação por valor”, afirma Vital. “Esse regramento está disposto em um ato interno da companhia (manual MPC) cujos limites de valor só constam de fato em outro documento: uma tabela que define limites de competência.”

O TCU verificou ainda que muitos funcionários terceirizados têm acesso ao portal Petronect para selecionar empresas fornecedoras de bens e serviços, com preferência para o uso direto do cadastro de fornecedores da companhia. Cerca de 45% dos servidores que atuam na operação e alimentação do cadastro de fornecedores são terceirizados. Considerando a sensibilidade e confidencialidade de grande parte dos dados e informações, o tribunal recomendou que a empresa reavalie “os níveis de controles internos e adote as providências necessárias para mitigar os riscos envolvidos” no acesso ao sistema. Procurada, a Petrobrás não se manifestou até o fechamento desta edição.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX