1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Petrobrás diz que investir no pré-sal é a prioridade

- Atualizado: 12 Janeiro 2016 | 22h 28

Em revisão do plano de investimentos, fatia destinada à área deexploração e produção subiu, e o Comperj voltou ao orçamento

RIO - A Petrobrás vai gastar, em média, US$ 18 bilhões por ano até 2019. No comunicado feito ao mercado ontem, em que anunciou ajustes ao plano de negócios para o período de 2015 a 2019, a empresa reiterou a mensagem de austeridade – ao projetar corte de US$ 32 bilhões em quatro anos. Neste ano, porém, o investimento vai ser um pouco maior, de US$ 20 bilhões. Segundo fontes envolvidas na elaboração do plano, o orçamento de 2016 ficou US$ 1 bilhão mais caro do que se previa para que fossem inseridos projetos da “nova Petrobrás”, idealizados no primeiro ano de gestão da equipe do presidente Aldemir Bendine.

O Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), parado após denúncias de corrupção e da crise financeira no caixa da empresa, vai voltar ao orçamento. A Petrobrás dá como certa a atração de parceiros para concluir as obras de instalação da unidade de processamento do gás natural do pré-sal, além da infraestrutura de transporte da matéria-prima, do litoral até a refinaria, no município de Itaboraí (RJ). Há também projetos do pré-sal postergados para 2016.

Parado após denúncias de corrupção e pela crise, Comperj voltou aos planos
Parado após denúncias de corrupção e pela crise, Comperj voltou aos planos
Os investimentos na área de Exploração e Produção, onde estão alocados os projetos do pré-sal, ganharam um pouco mais de participação no orçamento da petroleira. Em vez de 80% dos US$ 98,4 bilhões a serem investidos até 2019, a diretoria vai ficar com 81% – ganho de US$ 1,3 bilhão. “Manteremos nossa prioridade absoluta no pré-sal. Atingimos tamanha excelência na extração em águas profundas que chegamos ao custo de US$ 8 por barril – quase a metade do desempenho das grandes petrolíferas”, afirmou Bendine, em carta distribuída aos funcionários.

Aos empregados, o presidente da Petrobrás indicou preocupação com o atual cenário da indústria petroleira no mundo, numa tentativa de sensibilizá-los da necessidade de adequação da empresa à nova realidade de preços baixos do barril. Bendine quer cortar US$ 12 bilhões de gastos internos, do dia a dia da empresa, o equivalente a US$ 3 bilhões por ano.

Batalha. A diretoria da Petrobrás trava uma batalha com os funcionários em torno de uma série de benefícios que pretende cortar. Hoje, o embate está em torno do pagamento da participação nos lucros e resultados de 2015. A empresa tem até 20 de fevereiro para depositar o dinheiro, mas tem sido pressionada por sindicatos a pagar o benefício ainda em janeiro ou, no caso do resultado financeiro de 2015 ser muito ruim, compensar os funcionários com a antecipação da primeira parcela do 13.º salário.

O corte de gastos internos já esteve no foco da diretoria no ano passado, mas pouco se avançou. Num primeiro momento, a ideia era cortar US$ 30 bilhões. Em outubro, a meta foi revista para US$ 29 bilhões, valor que não chegou a ser revisto no novo plano, divulgado ontem.

A Petrobrás admite que está sujeita a “diversos fatores de risco que podem causar impacto em suas projeções”. Além das dificuldades de negociação para reduzir o tamanho da empresa, e de não ter controle sobre os preços do petróleo e do câmbio – que influenciam diretamente o resultado financeiro –, o desempenho da empresa ainda está atrelado ao dos seus fornecedores.

O caso mais crítico é o da Sete Brasil, à qual encomendou sondas de perfuração do pré-sal, mas, diante da queda dos preços internacionais de afretamento dessas embarcações e também de denúncias de corrupção envolvendo a fornecedora, voltou atrás. As negociações estão em andamento e a Sete Brasil ameaça a petroleira de recorrer à Justiça para que o contrato seja cumprido.

Para o diretor executivo da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, Alberto Machado Neto, o corte nos investimentos pode representar o “ponto limite” para a indústria fornecedora.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX