1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Petrobrás supera meta para produção de petróleo em 2015

- Atualizado: 15 Janeiro 2016 | 20h 19

Estatal produziu 2,1 milhões de barris por dia no ano passado, um crescimento de 4,6%; resultado ficou acima do previsto no plano de negócios da companhia pela primeira vez em 13 anos

A Petrobrás divulgou nesta sexta-feira, 15, sua produção de petróleo no Brasil em 2015, que somou 2,128 milhões de barris por dia (bpd), alta de 4,6% ante o resultado do ano anterior e 0,15% acima dos 2,125 milhões previstos no plano de negócios da companhia. A empresa afirma, em comunicado, que superou a meta fixada para o período de acordo com o Plano de Negócios e Gestão da companhia pela primeira vez nos últimos 13 anos.

De acordo com a empresa, a média anual da produção operada na camada pré-sal em 2015 também foi a maior da história da estatal, atingindo uma média de 767 mil barris por dia, superando a produção de 2014 em 56%.

"Se considerada também a extração de gás natural, que cresceu 9,8% diante do ano anterior, a produção total chega a 2,6 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed), 5,5% maior que os 2,46 milhões boed de 2014", afirma a companhia.

Produção no pré-sal também bateu recorde no ano passado

Produção no pré-sal também bateu recorde no ano passado

"O resultado é importante por demonstrar a grande capacidade operacional da empresa, mesmo em um cenário global adverso para o setor de óleo e gás, e por reiterar, diante do mercado, a previsibilidade e a transparência dos rumos da companhia", afirma, na nota, o presidente da Petrobrás, Aldemir Bendine.

Ele ressalta ainda que esse resultado "reforça a convicção pelo caminho de priorizar os investimentos com capacidade efetiva de gerar resultado para a companhia, com prioridade absoluta para os projetos de exploração e produção".

Destaques. De acordo com a Petrobrás, o rápido crescimento da produção da plataforma P-58, que opera no complexo do Parque das Baleias, na porção capixaba da Bacia de Campos, e da plataforma do tipo FPSO Cidade de Mangaratiba, no pré-sal da Bacia de Santos, foram alguns dos principais destaques na expansão da produção no ano passado.

Além destes, a estatal cita a antecipação - de novembro para julho - do início da operação do FPSO Cidade de Itaguaí, na Bacia de Santos.

"Temos consolidado nossa excelência na exploração em águas profundas e ultraprofundas. Em 2015, conseguimos conciliar o avanço tecnológico com a redução dos nossos custos operacionais, o que nos levou à marca de custo de extração de oito dólares por barril nos campos do pré-sal no terceiro trimestre", afirma, na nota, Solange Guedes, diretora de Exploração e Produção da Petrobrás.

Na avaliação da estatal, o desempenho satisfatório das demais frentes de produção também teve papel decisivo para que a meta de 2015 fosse atingida. No ano passado, a produção do campo de Marlim, na Bacia de Campos, se estabilizou acima dos 200 mil bpd, e o Campo de Roncador chegou ao seu pico ao superar a barreira dos 400 mil bpd.

Produção no exterior. Fora do País, a produção média de petróleo em 2015 foi de 99 mil bpd, 14,4% abaixo dos 116 mil bpd no ano anterior. De acordo com a Petrobrás, a redução ocorreu, principalmente, devido à conclusão da venda de ativos na Colômbia e no Peru, ainda em 2014, e na Argentina, em março de 2015. "Estas operações tiveram seus efeitos parcialmente compensados pela entrada em produção dos campos de Saint Malo (dezembro/2014) e Lucius (janeiro/2015), nos Estados Unidos", destaca a empresa.

A produção média de gás natural no exterior ficou em 15,4 milhões m?/d, queda de 3,1% frente aos 15,9 milhões m?/d de 2014. Nesse período, foram concluídas as transferências de unidades no Peru e na Argentina e houve entrada em operação do campo de Hadrian South, em março de 2015, nos Estados Unidos, e dos novos poços em Rio Neuquén, na Argentina. Com isso, foram 190 mil boed, ou 9,4% menos que os 209 mil boed de 2014 no exterior.

Recorde. Somando as produções no Brasil e exterior, a companhia também alcançou dois novos recordes históricos: a produção total de petróleo da Petrobrás em 2015 foi de 2,23 milhões bpd, 3,6% superior à de 2014 (2,15 milhões bpd), enquanto a produção total de óleo e gás foi de 2,79 milhões boed, um crescimento de 4,3% frente à do ano anterior (2,67 milhões boed).

Já a produção média de petróleo só no Brasil no mês de dezembro de 2015 foi de 2,18 bpd, 5,2% acima do mês anterior. No caso do gás, a alta foi de 6,9%, chegando a 76,7 milhões m?/dia. A produção de petróleo e gás natural da Petrobrás no Brasil, em dezembro, foi de 2,66 milhões boed, ou 5,5% maior do que a registrada em novembro (2,52 milhões boed).

"A produção de petróleo operada pela Petrobrás na camada pré-sal, em dezembro, alcançou o novo recorde mensal de 874 mil bpd, com crescimento de 6,6% em relação à produção de novembro, que foi de 820 mil bpd", salienta a empresa.

Pré-sal. Já a produção de petróleo e gás natural operada na camada pré-sal se manteve acima do patamar de 1 milhão de boed em dezembro e também representa um recorde mensal, atingindo 1,090 milhão boed, volume 6,6% superior a novembro (1,023 milhão boed).

No exterior, a produção média de petróleo no mês passado foi de 96 mil bpd, em linha com o volume produzido no mês anterior. A produção média de gás natural foi de 16,2 milhões m?/d em dezembro, 1,4% acima dos 16,0 milhões m?/d no mês anterior, principalmente em decorrência da maior produção em Punta Rosada, no campo de Rio Neuquén, na Argentina, justificou a companhia.

Com isso, no mês de dezembro foram produzidos, no exterior, 192 mil boed, 1,0% acima dos 190 mil boed no mês de novembro.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX